Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Vovó, uma saudade

Tais Civitarese

Esse ano, perdi uma das pessoas que mais amava no mundo. Minha avó, minha doce e adorada avó. Vinha me preparando para isso, pois ela já era bem idosa, mas não foi fácil. Até hoje, ainda não é. O amor dela era um lugar de conforto garantido, era um colo caloroso nesse mundo conturbado. Colo pra mim, para os meus filhos e também para a minha mãe. A presença dela era alegria, era o símbolo mais nobre que tínhamos de família.

Seu abraço era único. Era fofo, macio, perfumado, com textura de algodão. Ela era gordinha e envolvia a gente numa nuvem almofadada de carinho. Com o passar dos anos, ela ficou menorzinha. Mas o abraço continuou igual. Jamais existirá um outro assim. Sempre disse à minha mãe que essa seria minha maior saudade. 

Próximo ao Natal, a falta dela aperta mais.

Uma noite dessas, tive um pesadelo horrível. Envolvia um crime, morte, cinco tiros, visita ao IML, prisão e vingança. Eis que em meio ao pesadelo, ela aparece. E eu lhe digo:

– Vó! Você voltou?

Ela diz:

– Vim te dar um abraço.

Nesse momento, senti seu abraço muito forte. Senti seu perfume, o roçar de seus cabelos cacheados no meu rosto, seu carinho, seu amor. Senti como se ela estivesse ali, até mais forte e presente do que quando a vi pela última vez. Eu tinha consciência de que ela não estava mais conosco, mas ao mesmo tempo, ela estava. Uma ambiguidade estranha que só os sonhos são capazes de enredar.

Ao acordar, era como se a tivesse abraçado. Acordei feliz, nutrida por seu afeto.

Talvez a morte seja um pouco isso. Um ir e não ir. Um não estar e estar de outra maneira. 

Na mesma semana, soube que meu tio sonhou com ela de um jeito parecido.

Gosto de pensar que ela voltou pra nos ver. Para dar os abraços que confortam quem a amava. Não sei se “voltar” é bem a palavra. A gente não volta para um lugar de onde jamais saiu… 

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.