Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O fim do futuro

O fim do futuro - Foto: Arquivo pessoal
O fim do futuro – Foto: Arquivo pessoal (Foto da autora, tirada em 12/12/20, Vale do Travessão, no Parque Nacional da Serra do Cipó)
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Fim de ano é sempre tempo de reflexão. Aproveito esse momento para separar os positivos para um lado e os negativos para o outro. Colocar tudo na balança e fazer o saldo. Realinhar as velas do barco. Tem gente que diz ser bobagem, mas continuo achando a prática deste exercício fundamental. Ainda mais neste 2020 que tanto nos ameaçou, tanto expôs as nossas fragilidades, tanto nos privou de um futuro.

Desde março deste ano, tivemos que abortar nossos projetos de curto, médio e longo prazo. Num horizonte permanentemente indefinido, ficamos à deriva, tivemos que aprender a observar todas as ondas para decidir quando mergulhar, quando boiar, onde ancorar. Tivemos que estudar os diversos picos e platôs para conseguir nos localizar, escolher por onde caminhar, como nos defender e quando avançar.

Esse momento me fez lembrar de uma paciente que acompanhei há alguns anos. Ela chegou na primeira sessão chorando muito, muito fragilizada, falando de como doía o seu processo de divórcio, como não conseguia entender o porquê de estar passando por aquilo tudo, que se sentia deprimida e fraca por causa da separação. Questionava-se sobre o que seria dos filhos e de si mesma. Eu lhe interrogo quando havia ocorrido o rompimento e, para minha surpresa, ela me responde:

Há 20 anos.

Fingindo naturalidade e fazendo “cara de psicólogo”, acolhi toda aquela dor e tivemos a chance de fazer um bonito processo psicoterapêutico, encarando a urgência de se iniciar o desenvolvimento do luto pelo casamento. Mas escutar o “há 20 anos” dela, me fez pensar o quanto de vida estava perdida naquele apego de mais de duas décadas a uma relação que já havia terminado.

A intensidade emocional daquela reação me dizia que a perda ainda se fazia subjetivamente presente e recente. Ela estava aprisionada. Trabalhamos muito o apego dela pela dor. Tem gente que prefere andar pelo caminho do sofrimento simplesmente pelo fato dele ser o mais conhecido. Mas existem inúmeras outras trilhas possíveis.

Sempre lembro dessa sessão quando estou em sofrimento. Ele precisa ser vivido, mas também precisa ser elaborado e ser “passado”, porque a presença constante inviabiliza o futuro. É sempre bom ter a consciência de que cada minuto da vida que a gente vive é um minuto da vida que a gente renuncia. Seja porque os ponteiros do relógio não voltam, seja porque sempre escolhemos. Até quando não escolhemos, fazemos uma escolha.

Então, com Covid ou sem Covid, por hora, basta saber que o tempo que a gente tem é o tempo do agora.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.