Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Reflexões sobre 2020

Tais Civitarese

Uso esse espaço, honrosamente concedido a mim pelos amigos do Mirante, em especial Eduardo de Ávila e Daniela Piroli, para refletir, me confessar e dividir histórias e pensamentos. 

Chegado o fim do ano, é impossível não fazer um balanço da aventura surreal que vivemos em 2020. Um ano diferente, assustador, pandêmico e inesquecível. Tudo isso falando do global, ainda sem levar em conta as micro transformações da vida nossa de cada dia, as pequenas mudanças que impactaram grandes sentimentos.

Foram muitas lições aprendidas. Para mim, a efemeridade foi a maior delas. A consolidação da ideia de que tudo é dinâmico, de que fazemos planos e o minuto seguinte nos vira de ponta a cabeça e zomba da nossa cara. Nunca houve um tempo em que isso se fez tão claro para mim. Que bobos nós somos… Minha janela de crenças se estilhaçou feito vidro. E a velha e batida frase ‘carpe diem’ recobrou sua conotação mais verdadeira.

Eu não botava nenhuma fé no corona. Em janeiro, lendo as notícias de sua ascensão na China, achava que se tratava de mais uma tese sensacionalista dos jornais. Eis que é dezembro e ele está aí até hoje, tendo revolucionado o mundo e condicionado cada passo do nosso futuro. 

Tempos de insegurança e apreensão nos marcam profundamente. Transparecem nossa fragilidade e vulnerabilidade diante da vida. Nos deixam menos ‘deuses’ e mais humanos. Talvez mais humildes. Talvez. 

Às vezes, o pensamento se aloja no campo do medo e tudo fica obscuro. Porém, sou feliz por ter referências de amor e de alegria para ele voltar. Não deixo de ter esperança. Ela renasce das pequenas coisas. Das boas ações, das boas leituras, dos bons amigos.

Venho fazendo esforço para que minha mente permaneça o máximo de tempo possível nesse campo. Tem dias que é difícil. Mas é igual ginástica, requer persistência. Numa luta inédita para manter o otimismo, encerro esse ano ansiosa pela cura. Ansiosa pela vacina. Ansiosa por menos sobressaltos. E por boas notícias.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.