Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Figuras da praça

Tais Civitarese

Pelas manhãs, tenho ido caminhar na Praça da Liberdade. Saio cedo, coloco um boné e subo alguns quarteirões para ir me exercitar nesse local-símbolo de Belo Horizonte.

Apesar da praça não ser tão grande, a cada dia encontro uma cena diferente por lá. É gestante posando para ensaio de fotos cercada de guirlandas de flores, é aula de dança ao ar livre, ou são pequenos grupos fazendo piquenique na grama.

Tem um bebê que passa por mim no carrinho empurrado pela babá. Já conheço o bebê, de tão carismático e assíduo. 

Outro dia, logo às oito, já tinha um vendedor expondo quadros pintados por ele mesmo.

Já me ofereceram brownie sem glúten ou lactose, feito com açúcar demerara e farinha de amêndoas. Água de côco ou gelada, tem quase todo dia.

Tem um pessoal que fica só sentado nos bancos, vendo o tempo passar. Alguns turistas tiram fotos em frente ao Palácio da Liberdade. E outros fazem fotos-conceito na Alameda (serão blogueiros?) em inúmeras tentativas, até ficar bom.

Cachorros, só aqueles de madame. Raramente vejo um vira-lata por ali. Alguns casais de namorados, um ou outro sujeito lendo um livro. Amigas sentadas lado a lado, mexendo no celular.

Alguns esportistas, corredores ofegantes. As passeadoras da caminhada, assim como eu. E as que foram pegas de surpresa e vão caminhar de sandálias.

Os senhores, a passos pequenos, que de vez em quando, embolam o trânsito. 

Uma cuidadora com um idoso, com quem vai conversando calmamente. Aquele idoso deve gostar dela. E ela dele. Esse solzinho das nove deve lhes fazer bem.

Uma moça muito arrumada deve estar indo para o trabalho. E uma outra, de óculos, que acaba de sair do museu.

Minha  mãe conta que a feira hippie antigamente era ali, às sextas-feiras. Ela saía do trabalho, no prédio do Memorial Minas Gerais, e ia ver alguma coisa nas barraquinhas.

Hoje, a praça é meio um parque. E cumpre bem sua função. Me admira lembrar que foi fechada por gradis – fazendo as vezes de muralhas – durante boa parte do ano… Aqueles gradis eram como a parede de uma casa. Metáfora perfeita para o isolamento da Liberdade e da vida que se apropria dela.

Contornando-a quase todas as manhãs, me lembro que o mundo também gira, que o tempo passa, que é bom ter um tempo livre e que a vida insiste por viver.

*
Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Figuras da praça”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.