Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Caso de polícia

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Vovó Márcia não esperava ninguém quando a campainha tocou. Já se passava das três, e ela ainda tinha de molhar as roseiras, fazer ginástica pelo YouTube, lavar a louça suja na pia e, depois de zanzar pela casa inteira, poderia enfim sentar-se no sofá, quando tricotaria setenta e cinco pares de sapatinhos coloridos para o bisneto, que chega em janeiro.

E quem diabos tocaria a campainha àquela hora?

Foi saber.

Subiu as escadas com as suas perninhas firmes e ligeiras e abriu a porta, mas não mais que uma fresta. Do outro lado, deu com dois grandalhões. Eles se apresentavam como policiais. Diziam ter batido à sua porta por recomendação de homens da alta patente, vez que as telas pintadas pela vovó são famosas por toda parte, vejam vocês, até nos quartéis.

E era mesmo o dono do quartel o motivo que os trazia ali. Afinal de contas, o coronel, após uma vida inteira de serviços prestados à população, decerto gostaria de ter o seu busto retratado com pompas e louvores pelas mãos de uma artista como a vovó. Mas, para sorte dela, não era nada disso que os dois soldados tinham em mente.

Foram entrando e, pelo corredor, passaram os olhos por tulipas vermelhas, copos-de-leite e arranjos de rosas. Deslumbraram-se com a paisagem do Barreiro, com o campo de ovelhas e o pastor, mas tomaram outro caminho. Um caminho de chão batido, ladeado por bromélias azuis e árvores frondosas, que a vovó havia pintado há pouco. E pararam por ali, pois não quiseram ir adiante.

Decididos pelo caminho de chão batido, passaram então para as tratativas quanto ao preço do quadro, transporte, moldura e outras burocracias do mercado das artes. Vovó, pragmática que só, deu o preço da tela e disse que os policiais poderiam levá-la agora mesmo. Mas os oficiais, desprevenidos pelo rápido desfecho do negócio, não traziam dinheiro.

Foi quando um deles propôs que fossem ao banco mais próximo, e que voltassem para buscar a tela depois. Mas vovó, irredutível, bateu o pé. Por que não a levassem agora e, depois, voltassem com o dinheiro?

Homens da lei que eram, eles ficaram no impasse. Mas acabaram levando o quadro. Na saída, um deles ainda brincou, perguntando se a vovó não temia que eles fugissem e não retornassem com o dinheiro.

Então vovó foi certeira:

— Ora! Se não voltarem, eu chamo a polícia!

Tela pintada com tinta a óleo por Márcia Scarpellini (Reprodução/Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.