Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Certezas que geram incertezas

Pixabay
Pixabay
Eduardo de Ávila

Muitos dentre nós, notadamente gerações do milênio passado, vivenciamos convicções que lentamente geraram desconfianças. A primeira delas, me lembro bem, é que cheguei no bico de uma cegonha. A cada nova gravidez, ficava ansioso por avistar essa danada que só aparecia quando eu não estava por perto. Minha curiosidade era por entender a razão das barrigas murcharem.

Depois, naqueles tempos, brincar de bola e carrinho. As primeiras eram de plástico, que fantasiavam aquelas que víamos no gramado profissional. Nunca vou esquecer, ganhei uma G18. Era o sonho dos meninos da minha época. Me imaginava vestindo a camisa do time do meu coração, até que entendi que não tinha condições técnicas para tal façanha e virei goleiro. Todo garoto ruim na linha era condenado a atuar no gol. Ah! Nessa ocasião, ainda descobri que não era a cegonha coisa nenhuma, mas sim um bom brinquedo de adulto que tomava o lugar da fantasia infantil.

Já na pré-adolescência, as incertezas me pegaram e duraram uma eternidade. Seguro que meu lugar no futebol seria na arquibancada, passei a conviver com a dúvida sobre o futuro. Tive tanto medo de não dar em nada, que acabei fazendo dois cursos superiores. Do Direito, um momento mágico no amadurecimento e que me fez militante da resistência, guardo boas lembranças na Faculdade Milton Campos. Até hoje nos reunimos para saudar aqueles momentos.

Pixabay
Pixabay

Porém foi no jornalismo que me realizei pessoal e profissionalmente. Não sou e nunca sonhei em ser uma estrela da profissão, tampouco sou um profissional do baixo clero. Sou razoável, o suficiente para ter chegado onde estou. Trabalhei em diversas redações, ainda exerço a função em assessoria e assino dois blogs ao lado de pessoas que me são muito estimadas. Nesse caso, a máxima do título foi invertida, a incerteza se transformou em certeza de dois interessantes espaços diários que fazem parte do cotidiano de milhares de leitores. Este Mirante e outro de futebol.

Mas para chegar até aqui, tive de enfrentar muitas desconfianças – recheadas de inseguranças – tendo a sorte e o privilégio de um portal que nos dá ampla visibilidade e parceiras e parceiros comprometidos com conteúdo e pontualidade. Paralelo às minhas atividades profissionais, aquela remunerada – neste momento em home office –, acompanho durante todo o dia os comentários de leitores e acessos aos dois espaços. Parecia, com isso, que minha vida caminhava para a certeza de uma aposentadoria que me premiaria com tempo para dedicar ao meu jeito de levar a vida.

Que nada! Primeiro, por não me ser ainda viável pensar nesse momento em “pendurar as chuteiras”, uma vez que – vivendo num país de incertezas – receio ser condenado a viver sem condições mínimas de sobrevivência. A despeito da expressão futebolística utilizada, comemoro que mesmo não sendo profissional dos gramados, acabei virando blogüeiro também de assuntos relacionados ao campo de jogo e meu time preferido.

(foto: PixaBay/Reprodução)
(foto: PixaBay/Reprodução)

Aliado ao momento de incertezas, o mundo todo convive – há um ano – com a COVID-19. Os primeiros meses, no meu caso pessoal, passei confinado dentro de casa (apartamento de fundo, sozinho, sem ver a rua), até que a flexibilização foi sugerindo ganhar as ruas. Incialmente uma vez por semana, depois duas, três, cinco; até retomar a rotina. Ainda que com limitações. Cafeteria foi um ganho, salas de cinema não quis arriscar, jogos de futebol seguem proibidos. Então, ainda me faltam algumas (re)conquistas. Delas advirão, claro, outras relacionadas à plena liberdade de ir e vir.

E a vacina? Quando será liberada? De onde? A meu gosto, por agilidade e eficácia, venha de onde for. China, Rússia e até Estados Unidos. Já disse e repito, as duas primeiras, uma em cada braço, a do tio San no traseiro. Afinal, é lá mesmo que os americanos injetam ao mundo todos os seus interesses comerciais e de domínio.

Fato é que vivemos tempos, durante essa temporada de 2020, condenados ao isolamento e aguardando notícias laboratoriais, científicas e de toda ordem para retomar as ruas, praças e avenidas da cidade. Quando sentimos algum desconforto, nosso diagnóstico inicial sugere covid ou uma gripizinha? A liberdade que sempre vivemos deu lugar à prisão domiciliar. Cresci jogando “pelada” na rua da minha infância em Araxá, onde hoje nem existe vaga para estacionar carro. Paralelo a isso, agora tenho a convicção que precisamos – mais que nunca – saber eleger governantes com perfeitas condições e sanidade mental. Certeza do envelhecimento sim, incerteza dos tempos, mais ainda.

*
Curta: Facebook / Instagram

4 thoughts to “Certezas que geram incertezas”

  1. As incertezas são nosso combustível para levarmos a vida. A única coisa que temos certeza que irá acontecer com todos, nós teimamos em nos iludir que irá acontecer com os outros, mas não com a gente.

  2. Antes de exigir sanidade mental, é preciso confirmar que o(a) distinto(a) postulante seja gente e não, simplesmente, um(a) coiso(a) indefinido(a) que tem apenas forma de gente.

  3. Antes de exigir sanidade mental, é preciso confirmar que o(a) distinto(a) postulante seja gente e não, simplesmente, um(a) coiso(a) indefinido(a) que tem apenas forma de gente.

  4. Prezado! Ainda hoje sou um tanto incrédulo e não absorvi muito bem este mundo q parece estar flutuando a todo momento. A incredulidade ñ é com a cegonha e sim com estes governantes do caos. São verdadeiros D. Quixote lutando contra inimigo um imaginário q não têm direção nenhuma.O país aos poucos vai definhando com essa corja de malucos q tudo podem e tudo lhes convém. Deixe ir ali caiar um meio fio enquanto a “cegonha” ñ vem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.