Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Bruxas do cinema

Anne Hathaway, no papel de Grande Bruxa (Divulgação/Warner)
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Os Estados Unidos enxotaram o Donald Trump da Casa Branca, mas o mundo continua chato. Muito chato, aliás. Pois não é que o tribunal das redes sociais decidiu condenar a estreia “Convenção das Bruxas” (2020) — refilmagem do clássico dos anos 1990 — a pagamento de cesta básica, trabalho voluntário e prisão em regime fechado com a chapa Huck/Moro 2022? Isto é, pena de morte?

Calma, explico. É que as redes pediram a cabeça dos produtores do filme dirigido por Robert Zemeckis, após atletas paraolímpicos criticarem um detalhe na aparência da Grande Bruxa, personagem interpretada pela majestosa Anne Hathaway: uma mão com apenas três dedos. Bastou para que a obra fantástica fosse acusada de incitar o preconceito contra os portadores de ectrodactilia — síndrome congênita causadora de malformação nas mãos e nos pés.

Particularmente, eu, de olhos fechados, braços atados e ainda calçando sandálias havaianas, entraria em qualquer briga na defesa pela igualdade das minorias. Mas desde que não se metam com as bruxas. Especialmente, com as bruxas do cinema.

Ora, o que seria da bruxa de “João e Maria” (1987) não fosse a enorme e asquerosa verruga no queixo? Isso não faz de quem ostenta a protuberância na face um ser maligno ou monstruoso. Sem falar no provocante decote de “Elvira” (1988), o que não significa que uma mulher vestida para matar mereça ser tratada como a rainha das trevas.

Fosse assim, a associação das vizinhas desocupadas, baixinhas e bisbilhoteiras deveria se revoltar contra a Minnie Castevet, a bruxa intrometida de “Bebê de Rosemary” (1968). Assim como as velhinhas que resolveram assumir os seus cabelos brancos. Elas não merecem ser comparadas à horripilante Margaret Morgan, de “As Senhoras de Salem” (2012), ou mesmo à fantasmagórica bruxa de “A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça” (1999).

Que dirá então das já estigmatizadas e preteridas prostitutas velhas, já que Dario Argento escalou uma meretriz de nada menos que 90 anos para o papel de Helena Markos, a misteriosa bruxa de “Suspiria” (1977). O sortilégio sobraria até mesmo para os homens carecas, se comparados ao temível Voldemort, da franquia “Harry Potter”.

Bruxas ou bruxos, o melhor é que não se metam com eles. Ou seremos todos transformados em sapos.

Minnie Castevet (Ruth Gordon), a bruxa intrometida de “Bebê de Rosemary” (Divulgação/Paramout Pictures)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.