Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Caminho do Mar

Caminho do Mar - Arquivo Pessoal
Caminho do Mar – Arquivo Pessoal
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Como entender o caminho do mar? Essa foi minha pergunta quando passei pela canoa de pescador que a foto mostra. Também, qual a diferença do caminho da “montanha” para o caminho do mar? E que caminho é esse?

Minhas experiências passam pelos caminhos: do pântano, onde está localizada minha cidade natal – atualmente pouco restou dele. Posteriormente, caminhei pelas montanhas de Minas, Bahia, Pará, Rio grande do Sul e do Norte, São Paulo, Perú, Colômbia, Chile, Itália, Espanha, França, Portugal, EUA. Enfim, muitas terras.

Vivenciando essas direções e agora diante das águas, questionei-me sobre as diferenças dos caminhos do mar e da terra. Dois nomes ecoaram em minha cabeça e podem iniciar um diálogo sobre a diversidade existente entre terra e mar e sua completude. 

O primeiro: Milton Nascimento, o homem introspectivo que cantou sua terra e seus sentimentos sobre ela Minas Gerais do ferro, do ouro, das pedras, dos minerais. E, Dorival Caymmi, o do mar, que observou sua querida Bahia e seu povo, em especial o jangadeiro, o pescador, as águas-marinhas, cantou personagens reais em suas músicas.

Colocarei os dois numa prosa de vida e olhares diversos para os elementos água e terra. Inicio com conexão Minas – Bahia com a música de Milton:

Ponta de areia, ponto final/ Da Bahia à Minas, estrada natural/ Que ligava Minas ao porto, ao mar/ Caminho do ferro mandaram arrancar…[1]

Caymmi, no balanço das ondas, canta: “Minha jangada vai sair pro mar/ Vou trabalhar, meu bem querer/ Se Deus quiser quando eu voltar do mar/ Um peixe bom eu vou trazer/ Meus companheiro também vão voltar/ E a deus do céu vamos agradecer…”[2]

Ser da terra: “Solto a voz nas estradas / já não quero parar/ Meu caminho é de pedra/ Sonho feito de brisa/ Vento vem terminar…”[3]

Ser do mar: “Vento que dá na vela/ Vento que vira o barco/ Barco que leva a gente/ Gente que leva o peixe/ Peixe que dá dinheiro, Curimã…”[4]

“Senhora que/ das águas,/ tome conta de meu filho/ que eu também já fui do mar;/ hoje té/ véio acabado,/ nem no remo sei pegá…./ tome conta de meu filho/ que eu também já fui do mar; … [5]

Nascimento: “Falar da cor dos temporais/ Do céu azul, das flores de abril/ Pensar além do bem e do mal/ Lembrar de coisas que ninguém viu/ O mundo lá sempre a rodar/ E em cima dele tudo vale/ quem sabe isso quer dizer amor/ Estrada de fazer o sonho acontecer…’ [6]

Caymmi observando na sua Itapoã, então uma vila de pescador, hoje, bairro urbanizado de Salvador: “O mar quando quebra na praia/ É bonito, é bonito/ O mar…pescador quando sai/ Nunca sabe se volta, nem sabe se fica/ Quanta gente perdeu seus maridos seus filhos/ Nas ondas do mar…”[7]

 O mar, “lá fora” como dizem, é uma imensidão conhecida /desconhecida que o pescador espia. 

Eu já tive a experiência de mergulhar a 22 metros de profundidade e digo que é de uma paz e emoção que não estou encontrando palavras para definir. Por fim, daqui da Costa das Baleias ainda sonho mergulhar com uma delas numa integração terra/mar.

“Quem vem pra beira do mar, ai/ Nunca mais quer voltar, ai/ Quem vem pra beira do mar, ai/ Nunca mais quer voltar/ Andei por andar, andei/ E todo caminho deu no mar/ Andei pelo mar, andei/ Nas águas de Dona Janaína/ A onda do mar leva/ A onda do mar traz/ Quem vem pra beira da praia, meu bem/ Não volta nunca mais” [8]

Fica a dica: escutar as músicas que seguem.

*

Referências:

1 – Nascimento, M. música Ponta de Areia:
https://www.youtube.com/watch?v=15g6YWqG3vc

2 – Caymmi, D Suíte do Pescador:
https://www.youtube.com/watch?v=3zd0MJrSQxQ

3-Nascimento, M. música Travessia
https://www.youtube.com/watch?v=tBa2Z28oPRU

4- Caymmi,D. música: O Vento.
https://www.youtube.com/watch?v=S3U0sHegYgU

5- Idem. Música: Promessa de pescador
https://www.youtube.com/watch?v=VAux5ieVmaY

6– Nascimento,M. música Quem sabe isso quer dizer amor
https://www.youtube.com/watch?v=oX2tbUm5Iig

7 – Caymmi, D. música: O mar
https://www.youtube.com/watch?v=QiyUa8jKxiM

8 – Idem. Música: Quem vem para beira do mar
https://www.youtube.com/watch?v=vCHxPBSBong

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.