Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Causos

Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

As rodas de conversas são muitas e por variadas motivações. Os causos contados vão de pescadores à turistas que desbravam o mundo. Os perrengues nem sempre são contados, mas as estripulias com certeza o são. Os dos pescadores, todos sabem que o tamanho do peixe é de abraçadas. O de turistas, com encantamentos. E a variedade é repassada muitas vezes ano a ano nas famílias.

Nos meus causos, há o Tião Lenheiro, que apronta mil peripécias com sua bicicleta e desafia obstáculos. Cenograficamente encenado por meu irmão Aloisio, desfrutamos de suas artimanhas.

Hoje, turistar-me-ei, e conto sobre umas das idas lá nas bandas do alto da Serra da Canastra, ou melhor, no Parque Nacional da Serra da Canastra. Como o Tião Lenheiro e sua bicicleta com vontade própria, estava eu pedalando de Vargem Bonita até a Casca D’antas. Subindo e descendo as serras da região, avisto o pico que dá origem ao nome “canastra” – que tem o formato dos baús antigos chamados de canastra. 

De repente, minha magrela toma posse de vontade e numa descida sem meu controle lá fomos em disparada rompendo obstáculos. Foi um foge de cupim, de buracos e a danada só aceitou as rédeas a um centímetro de uma cerca de arame. Ufa… com o susto superado, bora ver a belezura da paisagem. O rio bem pequeno e cristalino – ainda sem os barrancos que o fazem ter uma cor de terra, segue seu curso entre pedras, chegando ao destino ao final de cada dia, em Casca D’antas, batizada com esse nome devido ao animal – antas, que se esfregava nas árvores do local quando se feria. As cascas do vegetal proporcionavam a cura das lesões.

A cachoeira que rompe do alto do parque é majestosa com seus 186 metros de altura e com farto volume de água. Estar nos bares de São Roque de Minas é escutar causos e causos, observar a movimentação dos típicos moradores da região em um lugar aprazível e ver a vida passar lentamente, principalmente num dia de chuva. 

Mas estou como contadora de causos mesmo, dando uma volta até chegar naquele que pensei para essa crônica. Mas antes…

O dia amanheceu chuvoso, como o são muitos dias de janeiro em Minas. Nosso carro não subiu a Serra e lá fomos nós num potente soviético Serra acima rumo a portaria de Patrocínio, com destino ao bar/restaurante de comida típica e muito tradicional. Antes da chegada, passamos pelo mirante de onde se avista os divisores das águas do Rio São Francisco, o Rio Paraná e a Serra da Babilônia. A paisagem é encantadora. Também nesse dia pude caminhar com um antigo amigo – o tamanduá-bandeira manco. Já o conhecia quando levei alunos para pesquisa/visitação do parque. No meu primeiro, encontro ele se esgueirava em meio ao capim.

Ele manquitolando e a paisagem bucólica e memorável. Nesse dia pude segui-lo de perto pela terra molhada da chuva. Doces memórias. Continuamos o passeio e andamos pelos campos. A paisagem era de encher os olhos de alegria. Caminhamos nesse trajeto de veados campeiros, gaviões e pássaros diversos com a harmonia da chuva – hora densa, hora como uma garoa deliciosa.

Já no restaurante com sua moradora centenária com comida caseira no fogão a lenha, numa tarde molhada no alto da Serra da Canastra, presto atenção em um típico encontro entre contadores de causos. Observo a conversa indo e a conversa voltando entorno de três homens e no centro da mesa um queijo. Meu olho cresceu nesse queijo da canastra – o puro dos puros, o legítimo dos legítimos. Então, num impulso direcionei-me a um deles:

moço, onde conseguiu o queijo e quanto custou?

Um olhar de estranhamento veio em minha direção. E a resposta: “moça, aqui a gente come primeiro e depois pergunta o preço”. É outra postura de ética com a vida. Afinal, era uma tarde preguiçosa no alto da Canastra. No vai e vem dos grandes centros urbanos, perdemos algo que nos desloca da paz de ver a vida acontecer. Turista, às vezes, carrega um ranço da sua origem…

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.