Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Viva para contar

https://pixabay.com/ - Viva para contar
https://pixabay.com/ – Viva para contar

Victória Farias

Ontem, domingo, dia 25 de outubro, quando fomos mais uma vez presenteados com um texto da nossa querida Rosângela Maluf, a ficha caiu: faltam dois meses para o Natal. 

No supermercado, me deparei com uma infinidade de panetones de todos os preços e tamanhos. Não gosto, nunca gostei, amargam na boca. Mas, faço questão de todas às vezes trazer um mini-panetone para minha avó. Acho que é para isso que o Natal serve.

Ano passado, nesta mesma época, estava me preparando para um tour ao Nordeste. Recordo de não me sentir muito bem na virada do ano. Um pressentimento? Não sei dizer. Uma lembrança distorcida? Muito provavelmente.

A questão é que hoje me encontro naquele barco – que está afundando e a cada dia um se reveza com um baldinho para jogar a água para fora  – da turma que acha que à 00:00 do dia 01 de janeiro de 2021, tudo irá mudar. Talvez essa mudança fique para 00:00 de 2022. Ou 2023. Depende. 

Enquanto o jornal da tarde parece uma reprodução impecável das comemorações do Final do Ano em família – um diz uma coisa, outro diz outra e no final ninguém está certo e todo mundo acabou bêbado de vinho barato – seguimos por mais um mês desse ano que eu não consigo me decidir se está indo rápido demais ou se não está passando.

Uma prova disso são minhas idas ao sacolão, onde todas às vezes perco alguns minutos para admirar a faixa de “Feliz Dia das Mães” estendida na parede. – Feliz dia das mães? – penso. Será que eu dei presente para minha mãe? Será que ela gostou? Mas o dia das mães não é em maio? O que está acontecendo? 

Alguém precisa tirar aquilo de lá. É uma canseira psicológica ter uma crise existencial só de pensar se eu ainda estou pagando pelo presente da minha mãe. – Eu chequei meu extrato do cartão de crédito, e a resposta é sim.  

Mas hoje, faltando menos de 60 dias para o Natal e 65 para que a Terra dê uma volta completa ao redor do Sol – a menos que vivamos em um domo, mas isso vou deixar para vocês decidirem – não me cabe mais ter esperança de dias melhores. 

O que me resta é aceitar e admirar as decorações nos shoppings apinhados de gente com máscaras no cotovelo. Esse ano eu aposto em uma estrutura básica em verde e amarelo, sem vacina, e com papais noéis sem barba para não carregarem o vírus, e vocês?

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.