Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Mitos da beleza

Mitos da beleza - Pixabay
Mitos da beleza – Pixabay
Tais Civitarese

Bonecas Barbie ou revistas “Capricho” nos ensinam desde cedo que a beleza feminina é um estereótipo eurocêntrico, padronizado e inatingível.

Tais artifícios parecem rasos ou mesmo inofensivos, mas a mensagem subliminar está ali fortemente posta. E cresce conosco.

A magreza, o cabelo liso, a pele sem marcas, impecável. Ah, se houvesse tecnologia para modificar a cor dos olhos…

Tudo fica sumariamente registrado em algum lugar do imaginário feminino e há de se perseguir esse fantasma pela vida toda. A cada passo dado em sua direção, a ilusão do pertencimento. Do objetivo atingido. Ainda que sempre falte alguma coisa…

Após muitos anos de mito perseguido e uma quantidade considerável de esforço e dinheiro gastos, vem a lição – a quem estiver mais atenta. A beleza não está em se buscar a proporção áurea. A estética talvez. Beleza é outra coisa.

Não está em formas, formatos, cores e texturas. Pelo contrário. Quantas pessoas “áureas” encontram-se cheias de lixo por dentro. São vazias, apenas casca.

Conseguimos entender que beleza é algo sublime. Superior ao apego do palpável e do visível. Ela está mais para um conceito subjetivo, relacionado a aos sentimentos que temos diante de algo ou alguém.

Quão bonita é a pessoa boa. A pessoa gentil. A talentosa. A trabalheira. A que se desdobra, que mostra seu brilho em atitudes e valores. A artista. A  generosa. E quão pequeno é seu formato diante disso tudo. 

Quão bonita é a diversidade de cores e volumes que emolduram as pessoas. E como é bom libertar-se da ideia de pseudoperfeição que jamais abarcará quem quer que seja.

Parece óbvio tudo isso. Mas não é. Há todo um universo cultural alimentado pelo mercadológico que não conspira a nosso favor. Há muito lucro envolvido na busca incessante pelo inatingível. Busca essa que, astuta, se reveste de termos como “autocuidado”, “amor próprio”, “auto estima”.

Buscar o padrão de beleza imposto ou a harmonia das formas não é necessariamente cuidar-se. Muito menos, amor próprio. Pode ser exatamente o contrário. Pode ser um caminho sem volta rumo à destruição da sanidade mental e uma condenação à superficialidade eterna. Cuidar-se, por vezes, é apenas aceitar-se. E por fim, sentir-se livre.

Beleza é algo profundo que independe de qualquer procedimento. É algo cultivado com esforços de outra ordem. Muito mais com lapidação interna do que com lanternagem…

*
Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Mitos da beleza”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.