Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Desconfortos e novidades do novo cotidiano

Eduardo de Ávila

Na idade em que me encontro, mesmo tendo curtido a vida adoidado desde a infância e – especialmente – adolescência, estou experimentando sistemáticos toques de recolher. Meus programas de bares e noitadas já há muito deram lugar à cafeterias com boa prosa, sem álcool (já tomei uma carreta e meia de cerveja enquanto consumia) e dormir cedo.

Na medida do possível, claro! No domingo, anteontem, quem mora na região da Serra – como eu – seguramente não conseguiu sossego à noite. Um som, horroroso por sinal, invadiu as residências e não deixou os moradores pegarem no solene e merecido sono.

Tentei, sem sucesso, descobrir de onde vinha essa insanidade. Tapar os ouvidos não resolveu o desconforto. Mais tarde, tomando comprimido para a inevitável dor de cabeça – associado a outro remédio para dormir – consegui sobreviver ao mau gosto alheio. Já nem me refiro à preferência musical, mas ao volume e horário.

Ao acordar, com mau humor – lógico – fiquei a lembrar da época que não me dava conta em incomodar aos mais velhos e o que daquilo possa ter causado aos (como eu agora) idosos. É uma sacanagem. Daí, rabugento – confesso que estou me tornando – lembro-me de outro desconforto vivenciado dias antes. Neste caso, sem terceirização de responsabilidade, uma vez que fui causador e vítima da situação.

Estou experimentando esquecimento e perda de objetos. Desde coisas a fazer até mesmo algumas outras que tenho de levar comigo. Documentos pessoais, encomendas – isso na verdade nunca gostei de carregar e nem de ocupar terceiros – e de me prevenir ao sair para a rua. É recomendável fazer xixi antes de passar aperto.

Comemoração um ano blog Mirante
Comemoração de um ano blog Mirante

Pois bem, semana passada, num encontro comemorativo com as parceiras e o parceiro deste blog, tivemos uma noite gostosa de prosa e projetos futuros. Ao sair, tive o cuidado de passar no banheiro do Diamond, antes de tomar o Uber de volta. Despedimo-nos, todos felizes, e ao chegar em casa uma inesperada surpresa. Cadê minhas chaves?

Depois de eliminar e revisar cada bolso e até noutros eventuais lugares inimagináveis, constatei que tinha perdido o chaveiro. Foi a conta de a bexiga avisar que queria eliminar a quantidade de água mineral que havia tomado. Menos mal, imagina se fosse outro tipo (o dois) de aviso e aperto.

Tentando me segurar ao eventual desespero, passei a imaginar como resolver o impasse, até que me dei conta de que a moça que organiza minha casa tem uma cópia e mora por perto. Talvez essa quase uma hora para contatar, buscar e efetivamente entrar solenemente em casa, possa ter parecido uma eternidade. E foi! A cada segundo a caixa d’água ameaçava romper.

Ao constatar que estava solucionada, a impressão que se tem é que o duto quer logo romper esse caminho para a eliminação do líquido. Rindo e aliviado do meu próprio infortúnio, mal consegui atravessar o corredor do apartamento para abrir as comportas da barragem que ameaçava o rompimento. Tanto dentro de casa quanto do desespero que ameaçou durante todo esse tempo.

Desde então, só tem uma semana, passei a me policiar ainda mais ao sair de ambientes que me possam me sugerir outro momento de terror e desespero. E mais, a checar onde coloquei o chaveiro, documentos, cartões e tudo que preciso para poder ir até o shopping tomar meu sagrado café descafeinado. Ah! O chaveiro foi, gentilmente, devolvido pelo Uber que me levou até ao encontro com a turma do Mirante.

Em tempo: a partir de hoje, ainda que ocasionalmente, vamos abrir espaço ao leitor que queira postar aqui no Mirante. A partir de 15h, sobe uma interessante aventura da leitora Joana Storino. Nascida em Pedro Leopoldo – MG, em 17 de junho de 1988, Storino é Angiologista e Cirurgiã Vascular, além de Professora de Anatomia na Faculdade de Ciências Médicas de MG. Atua nas artes através da Pintura e da Literatura. No ano de 2018, visitou o grande deserto do Atacama, no Chile, onde atravessando a região dos vulcões Licancabur, Quimal e Juriques, fez o inesquecível passeio em busca da “Librería del Desierto”.

*
Curta: Facebook / Instagram

2 thoughts to “Desconfortos e novidades do novo cotidiano”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.