Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Os significantes da pandemia

Os significantes da pandemia - Fonte: Pixabay
Os significantes da pandemia – Fonte: Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Outro dia um amigo me questionou pelo whatsapp: “Você está em casa?”. E eu respondi: “Estar em casa virou pleonasmo, meu querido”. Esse mesmo amigo me confidenciou que não vê a hora da pandemia passar para que ele possa, enfim, ficar em casa sem a obrigação de estar ali. 

O interessante é que o momento nos coloca em situações de estranhamento, que às vezes se tornam cômicas. Depois de quase sete meses lavando as roupas em casa, ainda não consegui decifrar o mistério das meias que entram aos pares na máquina de lavar e saem sempre em número ímpar. Mais difícil é entender o milagre da multiplicação das louças na pia da cozinha.

Além de transformar as nossas rotinas e realidades, me dei conta, há poucos dias, de que a pandemia está transformando a linguagem, o simbolismo e o sentido das coisas. Para mim, não há significante de maior magnitude desta mudança do que a máscara. Eu e meus colegas já escrevemos aqui sobre elas, mas vejam a que ponto chegamos. 

Hoje em dia, alguém “mascarado” deixou de ser um sujeito dissimulado ou inautêntico e passou a ser sinônimo de empatia e responsabilidade por mostrar alguém que segue as recomendações científicas de saúde pública e está preocupado com o bem-estar da coletividade. Daqui a pouco será visto como um “bom partido”. As mães dirão em breve: “Minha filha está namorando um mascarado, tomara que dê em casamento”.

Uma amiga me disse outro dia que seus netinhos, de um e dois anos de idade, quando veem a avó pegar as máscaras deles, de imediato estendem seus bracinhos em direção à ela, pedindo para passear. Efeito do condicionamento operante: já associaram a máscara com a saída de casa. Isso me lembrou das aulas de psicologia experimental e comportamental quando “ensinávamos” os ratinhos, na caixa de skinner, a puxar a alavanca para conseguir beber água. Coitados dos netos, dos ratos e da infância, que terá de ser reconceituada em breve por causa da pandemia.

Outro dia, descendo pelo elevador do meu prédio, parei no sétimo andar. O vizinho abriu a porta, olhou para mim, fez que ia entrar, recuou e disse: “Vou no próximo”. Imediatamente constatei que havia me esquecido de colocar a máscara. Sob aquele olhar fiscalizatório e de censura, experimentei uma das sensações mais estranhas dos últimos tempos. Parecia que eu estava nua. Senti tanta vergonha que pareceu que não eram meu nariz e boca que estavam expostos, mas sim as minhas partes íntimas. Cubri as minhas “partes íntimas” com a ajuda da gola da blusa e da minha mão esquerda durante o longo percurso de volta ao décimo andar, onde reavi a máscara e pude, então, recuperar a minha “decência”.

Referência:
  • A imagem que ilustra o post de hoje é uma referência ao filme “V de vingança”, que fica como recomendação pela referência à máscara ao contexto de pandemia.
*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.