Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Pendurando as chuteiras

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Ruy Castro está em home office há 30 anos. Desde que pediu as contas na revista Veja, no fim dos anos 1980, nunca mais pisou numa redação. E, do seu apartamento, no Rio, trabalhou como um cão. Foram 20 livros publicados. Dentre eles, as biografias de João Gilberto (e da Bossa Nova), Carmen Miranda, Nelson Rodrigues e Garrincha, sendo este coroado com um Jabuti, em 1996. Sem contar as crônicas publicadas na Folha a cada vez que o sol desponta de trás do Pão de Açúcar.

Adotei o mesmo regime de trabalho por quatro meses em razão da pandemia. Além de cumprir os compromissos do estágio, da faculdade e dos preparativos para o exame da OAB, lia um livro por semana, escrevi três contos, comecei e apaguei um punhado deles, e publiquei as colunas neste Mirante aos sábados. Fui mais feliz naquele tempo. Agora quero para sempre. Logo, pedi as contas no escritório. Que venham 100 anos de solidão, digo, de home office.

Encerrei ontem a mais longeva carreira de estagiário. Foram três anos durante o curso de comunicação social e outros três anos e meio no decorrer da graduação de direito. Já vi de tudo o que um estagiário pode ver. Isto é, tudo mesmo. Certa vez, um colega disse que iria comprar pão de queijo, e nunca mais voltou. Outra vez, a minha chefe me despediu, para depois abrir uma gargalhada e dizer: “brincadeirinha!”. Um dia todos foram embora e me trancaram no escritório, tipo, esqueceram de mim. Já trabalhei numa sala com apenas um banheiro. Detalhe: éramos 30, homens e mulheres. Fui humilhado, criticado, explorado, estropiado. E até coisas boas aconteceram.

Foi durante o meu estágio na assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa que aprendi — acho — a escrever. Agradeço eternamente aos jornalistas Carlos Máximo e Arlan França, que revisavam, sem perder o juízo e a razão, os meus textos. Eram pequenos arrazoados de 850 toques, a partir dos discursos dos parlamentares — etimologicamente falando, homens que parlam demais. Haja poder de coesão!

Depois, me foram solicitadas pequenas matérias e reportagens. Arlan, neste ponto, foi um pai para mim. Explicava-me, didaticamente, como funcionava o lead no texto jornalístico: “primeiro, introduz a cabeça; depois entra o resto”. Isso a faculdade não ensina.

Sem falar nas aulas de gramática, sempre às segundas-feiras, com o poeta Fabrício Marques.

São com essas boas memórias que prefiro pendurar as chuteiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.