Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Sabores da vida

Pixabay
Pixabay
Tais Civitarese

Quando criança, eu tinha o costume de enganar a minha irmã. Diante de um pacote de balas dado a nós duas, o qual deveríamos dividir irmãmente, eu sempre punha mais pra mim. O argumento é de que eu era a mais velha. Supostamente, deveria ganhar mais. Irmã mente.

O curioso é que eu não era egoísta com brinquedos ou bonecas. O negócio eram as guloseimas: balas, chicletes e outras preciosidades. Talvez porque, naquela época, essas coisas eram raras. Estavam associadas a festas e a momentos especiais. A verdade é que sempre tive um apego muito grande por doces. Tanto que, aos nove anos, já sabia fazer brigadeiro de panela e balas delícia.

Tem gente que se lembra dos cheiros que sentiu, ou tem uma música para cada fase da vida. Eu lembro das coisas gostosas que comi. Lembro para todo o sempre. Da sopa de frango e verdura com que uma amiga me recebeu uma vez em sua casa. Do macarrão da minha avó, feito na máquina manual e servido com molho à parte. Da farofa da Irani que trabalhava conosco. Do biscoito frito da casa da Marina. Pão de queijo da casa da Luisa. E da geléia da mãe do Gustavo. Lembro do bolo de aniversário que o Bruno fez pra mim há quase 20 anos. Tinha profiteroles por cima e duas deliciosas camadas de recheio.

Lembro quando minha mãe foi para o sul do Brasil e me trouxe o primeiro chocolate mentolado que provei. Que estranha a sensação gelada misturada ao doce na língua. E me recordo de uma paçoca antiga, a mais gostosa de todas, chamada Amor.

Na casa da minha avó paterna, era feita uma geléia de mocotó perfumada. No pirex de vidro, ela parecia um enorme bloco de quartzo. Brilhante, translúcida, levemente marrom. Adocicada, mas nem tanto. Nunca mais vi outra assim. 

Quanto perdão já ofereci na base do doce. E não posso dizer que foram escolhas ruins. Uma vez, decretei o fim de um namoro. Vesti-me para tal e marquei a reunião. Desisti. O namorado trouxe sorvete. Faz quase vinte anos que o sorvete vem rendendo. E desde então, meu estômago bandido já me pregou outras peças…

Meu marido me conquistou numa viagem de ônibus. Estávamos indo para Curitiba, num evento da faculdade. Seriam 13 carnavalescas horas de viagem. No ônibus tinha percussão, cantora, violão e até cerveja. Ele chegou com um saco plástico contendo Bis, Cebolitos, Pingo d’Ouro e biscoito de polvilho. À partir daí, nada mais importunou meu sono.

Foi nessa viagem que experimentamos a inesquecível pizza de strogonoff de um restaurante chamado Skate burguer. Nesse caso em particular, a memória afetiva não permaneceu exatamente pela boa lembrança… Porém, seja pelo lado pitoresco ou pelo prazer proporcionado, são sempre os sabores as marcas mais significativas.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.