Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Freud, Cartagena, Museo del Oro Zenú e culturas ancestrais: um combo

Estrutura Zenú - Arquivo Pessoal
Estrutura Zenú – Arquivo Pessoal
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Essa crônica está relacionada à visitação que fiz ao Museo del Oro Zenú, em Cartagena/Colômbia, há dois anos. Estando lá e diante de peças esculpidas a centenas de anos, como a da foto, capturada por mim, pensei no livro de Freud Totem e Tabu. O cientista contribuiu para antropologia social ao apresentar uma reflexão a respeito dos tabus na regulamentação da sociedade. Apresenta também a relação do totemismo aos vestígios da infância. Porém, esse texto não dialoga sobre as reflexões de Freud. Ele desenvolve-se para cultura Zenú e costumes aplicados na quarentena. Contudo, referencia o pai da psicanálise. Trago um combo de #tbt (Throwback Thursday), com culturas ancestrais e um “gosto de quero mais” da obra de Freud.

O Museo del Oro Zenu está localizado na Cidade Murada de Cartagena (centro histórico). Os muros foram levantados quando a colonização espanhola chegou à região, e com ela, também chegaram os piratas do Caribe. Assim, a baia de Cartagena já foi palco de muitas batalhas entre povos ancestrais, colonizadores e piratas. O museu ocupa uma casa colonial, típica construção espanhola com pátio interno. Em seu ambiente fica à rica cultura Zenú, os primeiros habitantes dessa região do Caribe.

Os Zenú são grupos indígenas e fazem parte das chamadas “culturas douradas”. Possuem importante produção de artigos, ornamentos em ouro e tumbaga (amalgamento de ouro e cobre). São da época pré-colombiana e considerados hábeis artesões. A mostra do museu confirma a beleza das peças que produziram e seus talentos para esculpir.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Seus costumes ainda são referência na Colômbia da atualidade. No mundo pandêmico, a prefeitura de Tuchín – departamento de Córdoba, adotou uma antiga prática cultural em que os Zenú eram presos pelos pés como corretivo de conduta. Para manter o povo em casa o prefeito da cidade usa o seguinte argumento para aplicar a punição: “Para preservar a estrutura institucional e respeitar os usos e costumes do povo Zenú, essa articulação está sendo realizada. Queremos ser um exemplo de respeito e demonstrar que, apesar da diversidade existente em nosso território, as instituições estão se unindo para proteger a saúde de todos”, relatou ao El Tiempo [1].

A advertência funcionou segundo relato do prefeito de Túchin e houve menos circulação de pessoas nas ruas. O que me parece é que a autoridade conhece bem as regulamentações da sociedade e como funciona o psiquismo de seu povo. Freud reflete…

Referência

[1] https://www.leiaja.com/noticias/2020/04/08/colombianos-que-furam-quarentena-sao-presos-pelo-pe/

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.