Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A cachorra Bisteca

A cachorra Bisteca (Reprodução/GettyImages)
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Um continho de terror…

Toda quarta-feira era assim: d. Vitória não tinha sossego. Noite de futebol na tevê, Fabiano, o marido beberrão, se esparramava no sofá. Abria a primeira lata de cerveja, estirava as pernas pro alto e enchia a mão de amendoim torrado. Fazia da barriga grande e espalmada a sua mesa de bar.

Bisteca, a cachorra aborrecida, via aquilo tudo e não emitia opinião. Apenas farejava o tapete da sala, recolhendo as cascas de amendoim que voavam de cima da mesa do bar — isto é, da barriga do dono.

Soprado o apito inicial, a bola mal saía do meio de campo, e Fabiano começava:

— Olha o gol! gol! gol!

A cada monossílabo impertinente, a barriga enorme de Fabiano remexia como o convés de um navio na tempestade. Cascas de amendoim esvoaçavam. Bisteca farejava. Alguma cerveja caía no tapete. Então a cachorra, julgando ter o dono passado dos limites, intervinha, tempestivamente.

— Au! au! au!

E quando o ponta esquerda do time de Fabiano arriscava um cruzamento no meio da área, aí é que a coisa ficava feia:

— Gol! gol! gol!

Bisteca, indignada, a esta altura já levara os disparates do dono pro lado pessoal. E não se calava:

— Au! au! au!

Pior do que isso só quando enfim saía o gol. Fabiano se levantava de súbito, virando a mesa do bar — isto é: o barrigão —, e esbravejava em frente à tevê.

— Gol! gol! gol!

— Au! au! au!

D. Vitória, transtornada, coçava a cabeça.

Na última quarta-feira, d. Vitória perdeu o controle. Saíram quatro gols para o time de Fabiano. Imagine a bagunça. Mas o homem beberrão pôde comemorar apenas três. Pois d. Vitória sentou-lhe uma colher de pau na cabeça, antes que ele pudesse ver o golaço do zagueiro.

O homem caiu duro feito pau. E, pela última vez, espalhou cerveja e amendoim pelo tapete.

D. Vitória, esposa dedicada e cuidadosa, tratou de enterrar o corpo do marido no fundo quintal. Fabiano mereceu até um velório. E d. Vitória e a cachorra Bisteca rezaram sob a sombra de uma mangueira.

Nos dias seguintes, a casa de d. Vitória assumiu ares de mosteiro. Um sossego que só as viúvas conheciam. Acostumando-se ao canto dos pássaros, ela nem sem lembrava do falecido.

Mas, certa quarta-feira, d. Vitória se lembrou. Bisteca havia sumido. Havia se mandado? D. Vitória foi procurar pela cachorra aborrecida. Procurou pela casa toda e a encontrou deitada no sofá, em frente à tevê.

Foi quando d. Vitória se aproximou que ouviu a cachorra Bisteca latindo diferente:

— Gau! gau! gau!

A cachorra Baleia em destaque na capa do livro ‘Vidas Secas’, de Graciliano Ramos (Record, 2020). (Arquivo Pessoal).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.