Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Aos amigos do meu colega

Aos amigos do meu colega – Pixabay

Tais Civitarese

Quando coisas inexplicáveis acontecem, eu só penso que ainda não houve tempo suficiente para compreendê-las. Compreender, ainda que de um jeito inventado, nos ajuda a aceitar. Nem tudo faz sentido, mas algumas coisas se encaixam apenas longitudinalmente no caos da vida. 

É certo que o acaso nos exige uma força sobrehumana para lidar com ele. Muitas vezes, não a temos. Porém, podemos encontrá-la em outras pessoas. E serão eles, ao nosso redor, que nos ajudarão a passar por tudo.

O tempo cura quase tudo, mas nem sempre temos tempo de esperá-lo passar. Nessas horas, meu remédio é me ater às boas lembranças e recordar que nenhum mal vem completamente maligno. Mesmo nas tragédias, podemos achar alguém que agiu de um jeito bom, uma fagulha de afeto, de amor, de esperança.

A vida nem sempre é bela mas ela sempre, sempre, sempre continua. E no seu continuar, permite coisas impossíveis. Permite que a beleza renasça.

O que tenho visto desde a enorme tristeza da perda de um colega tão jovem na última semana é formar-se uma corrente de união entre vários amigos que haviam se desgarrado há anos. Um compartilhamento de dores e também de recordações felizes e gestos para amenizar a saudade.

Isso por si só já traz alívio. Isso é a continuidade. É o próprio “lugar bom” para onde vão as pessoas queridas. Que essa potência possa consolar seus amigos e família e que as lembranças boas vivam e perdurem trazendo conforto.

Escrevo esse texto em homenagem a meu colega Henrique, e a seus amigos e família, a quem dedico carinho e respeito.

*

Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Aos amigos do meu colega”

  1. Lindo texto, Tatá! Deus abençoe esse seu dom de traduzir as emoções humanas de forma tão encantadora e verdadeira. Amei a frase:
    Nenhum mal vem completamente maligno. Amei todo o texto, na verdade. Na significação e na forma. Linda homenagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.