Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Era uma vez… uma turista

Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Era uma vez uma turista que chamarei de Bel. Assim, parte de seu nome; assim parte da história; assim parte da viagem…

Partes, pois o todo não é possível ser abarcado.

Bel saiu do Brasil com destino a Itália, onde participaria de um congresso. Seria sua primeira viagem à Europa. A bagagem era leve e com pouca roupa, carregando também um passe de trem daqueles que poderia rodar a Europa Ocidental sem pagar mais nada. Nessa época, ofertados com bom custo benefício. Também havia um bilhete aéreo com retorno desde Paris

Únicas certezas dessa viagem: entraria por Roma e sairia de Paris. E assim foi, mas antes passou por Veneza, Milão, Verona, Assis, Barcelona e Madri. E é aí que a história começa.

Partiu de Barcelona, precisamente da Estação Ferroviária Sants às 09h00. Chegou à Puerta de Atocha às 11h45. Teria a tarde e noite em Madri nesse dia. Como viajava sozinha, não se preocupava com o tempo, pois ele era somente dela. Assim, acomodou-se na casa da amiga Madrilena e começou a descoberta da cidade. Sozinha, pois a amiga e hospedeira estava no Brasil visitando parentes.

O destino da noite foi o Plaza Mayor. Praça que tem sua origem no século XV e fica situada na confluência dos caminhos de Toledo e Atocha. É retangular e rodeada de edifícios de três andares, com nove pórticos de entrada. Ali, Bel escolheu um bom café onde pudesse apreciar a movimentação da praça e as deliciosas tapas – comidinhas espanholas. Também organizou o dia seguinte e estava nos seus planos visitar o Museo Nacional del Prado.

Assim foi: dia dedicado ao Prado, Parque de El Retiro e onde mais as pernas a levassem. E boas surpresas aconteceram. Pela manhã, a caminhada no Parque Del Retiro. No século XVII a região era dedicada à residência de campo do Rei Felipe IV. O Palácio del Buen Retiro, como era chamado, possuía belos jardins. Esses frequentados na sua origem somente pela Família Real. Bel percorreu suas alamedas a contemplar inúmeras estátuas, árvores dançantes, esquilos; descansou sem pressa às margens do lago. 

O próximo destino estava pertinho: Museo Nacional del Prado. Um dos primeiros museus públicos da Europa com função educacional e recreativa. Tem grande valor mundial pelo seu grande acervo de pinturas de artistas espanhóis, franceses, flamengos, alemães e italianos.

Os Países Baixos foram integrados ao grande império espanhol, assim o Prado é rico na coleção de pinturas flamengas. Entre eles estão Rubens e Rembrandt. Bel sabia de sua riqueza, pois havia aprendido e visto muitos slides das pinturas em suas aulas de História da Arte. Ela também admirou os espanhóis: El Grego e Velásquez; e os italianos: Botticelli e Caravaggio. 

Mas, uma obra chamou-lhe mais atenção, pois não a conhecia – o Apolo Persiguiendo a Dafne. Conta-se no mito que Apolo, Deus belo e poderoso, provocou o pequeno Cupido – Deus do amor, dizendo-lhe que suas flechas eram mais poderosas. Cupido diz-lhe que as dele poderiam matar mais, mas as suas eram mais perigosas. Assim, flechou Apolo com a flecha de ouro (amor) e Dafne com a de chumbo (repulsa do amor). Vale a pena conhecer a história e a pintura.¹

O mito mostra entre outras coisas a impossibilidade da apreensão do objeto amado como um todo. No final da história mítica Apolo fica com fragmentos (partes) de Dafne, isso depois dela se transformar num loureiro².  

Bel continua sua caminhada e deixa seus pés a levarem sem rumo determinado. Passa pelo Palácio Real, e o admira, pois são sempre bonitos esses espaços principados. Já quase no pôr-do-sol chegou num lugar inesperado. Nessa época não tinha celular para consultas e nem estava preocupada com a história daquele lugar. Ali, no aqui e agora, o que importava era sentir a emoção daquele momento. Maravilhada, ficou desfrutando o adeus do Sol daquele dia. 

E os pés a haviam levado para o Templo de Debod. Monumento Egípcio do século IV a. C. Nele há uma capela dedicada aos deuses Amõn e Isis. É um dos poucos monumentos fora do Egito. Foi doado em 1968 para Espanha pelo estado Egípcio, em agradecimento pela ajuda prestada em salvar outros templos. Em Madri foi montado pedra sobre pedra conforme orientações originais, de este para oeste. O Rio Nilo está presente na sua representação pelo espelho d’água.³

Um espetáculo!!

Para saber mais:

¹ – www.mitografias.com.br/2016/02/apolo-e-dafne/

² – https://pt.wikipedia.org/wiki/Coroa_de_louros

³ https://pt.wikipedia.org/wiki/Templo_de_Debode

*

Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.