Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Zumbi de bronze

Estátua de Zumbi dos Palmares, na Praça da Sé, em Salvador, Bahia (Gorivero/Wikimedia).
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Depois que eclodiu o levante contra as estátuas de racistas no mundo, eu passei a olhar torto para os homens de pedra que cruzam o meu caminho.

Primeiramente, porque são todos homens brancos. Observam-nos de cima para baixo, com a arrogância de quem não desce do pedestal. Depois, ainda que fossem homens e mulheres de pele negra, não seriam negros, mas, invariavelmente, cinzas, sem graça, sem cor — verdadeiros arautos supremacia cinzenta.

Outro dia, descendo a Afonso Pena, dou de cara com um desses. José da Silva Xavier, o Tiradentes. Ele estava cercado de gente, que vestia a estátua com máscara e avental. Uma faixa explicava a intervenção: “a profissionais da saúde, policiais, bombeiros e imprensa”.

Um policial viu aquilo e encostou a viatura. Conversou com um aqui e outro ali, e não teve outro jeito: acabou pedindo para fazer uma selfie com a galera.

Depois se mandou. Sem saber que os verdadeiros agraciados não poderiam estar ali. Porque foram mortos pela polícia. “Fora, racismo”, dizia outra faixa, em homenagem a George Floyd — e também a João, Antônio, José, Pedro, Carlos.

Parece que a escolha do monumento não foi por acaso. Nesta semana, o jornalista Laurentino Gomes, autor de “Escravidão” (Globo Livros, 2019), lembrou no Twitter que Tiradentes era proprietário de seis escravos, em 1792, quando morreu enforcado.

Logo, a sua estátua deveria vir abaixo, como a escultura do mercador de escravos Edward Colston, que foi parar no rio, em Bristol?

Penso que não. Melhor que ela faça mesmo como uma estátua — e não vá a lugar algum. Que sirva de palco para mais protestos. E que ao lado dela seja erguida a imagem de Zumbi dos Palmares — enorme, robusta e de bronze negro.

Façamos, pois, o que recomenda o filme do diretor Spike Lee: “Faça a Coisa Certa”, de 1989.

Na história, um grupo de jovens negros se rebela contra um homem branco. Ele é dono de uma pizzaria no Brooklin e se nega a incluir a imagem de um negro na sua “parede da fama” — ali só tem espaço para os retratos de ítalo-americanos ilustres.

Deu-se um quebra pau.

Um jovem negro acabou capturado pela polícia. Morreu asfixiado, ali mesmo, na frente de todos — uma predição tétrica do que aconteceria em Minneapolis, 31 anos depois.

Tal qual na vida real, houve confronto com a polícia, incêndio e depredação. Mas um manifestante conseguiu a façanha. Acabou dependurando na “parede da fama” a imagem de não só um negro, mas de dois: Martin Luther King e Malcolm X.

Passou da hora de homenagearmos os nossos heróis negros.

Intervenção na estátua de Tiradentes, na Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte (Arquivo Pessoal)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.