Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Nada de muito diferente

Pixabay
Taís Civitarese

Da janela do meu quarto, avisto uma obra. Em dois meses de quarentena, ela segue de vento em popa. Um dia, fui até lá e conversei com alguns pedreiros. Como médica, me senti na obrigação: nenhum de máscara.  Vocês deviam usar, mesmo trabalhando”. “Eles pedem pra gente usar, mas ninguém usa”, foi a resposta. Mais tarde, vi um homem engravatado caminhando entre as escavadeiras. Também sem máscara. 

Nas semanas mais paradas da cidade, a obra seguia firme. Não teve um dia sequer em que não houvesse trabalho ali. Assisti à demolição das casas antigas, à retirada do entulho, ao nivelamento do terreno, ao preparo da fundação do prédio. 

Instalaram caixas-d’água, trouxeram guindastes monumentais. Reformaram a calçada em frente e ergueram uma suntuosa portaria de vidro, com fotos do projeto nas paredes e vasos com plantas de plástico. Lá dentro, uma recepcionista aguarda as pessoas atrás de um balcão. Sem máscara.

Fico pensando nesse oásis que nem a pandemia abalou. Nesse terreno que o coronavírus aparentemente não atingiu. A vida ali continuou como se nada tivesse acontecido.

Penso também em outras obras que foram construídas dentro da calmaria das casas. E que a real obra desse momento seria exatamente paralisar a construção habitual diária. Mudar a direção… 

Onde a obra continuou como antes, simplesmente, não houve obra alguma. A obra real foi construída no respiro, na interrupção. Ali, perdeu-se a chance de operar sob o efeito coronavírus. De sentir a pressão do bicho e de se aprender algo com isso. Pessoas foram expostas. Será que há coisas maiores que um pandemônio? Certamente, há interesses maiores que a saúde das pessoas.

Ali era uma ilha que não foi atingida pelo coronavírus. Desde sua “fachada imponente” que venderá ilusões superfaturadas, não foi avistada sequer uma máscara que pudesse macular os sonhos. Pelo andar da carruagem, em breve se instalará a placa metálica com o nome do empreendimento: “Exclusive” qualquer coisa. Ou – minha preferida – “Morada Premium”. 

Um símbolo da vida de fachada que virou moda nos dias de hoje. Ali, tudo é tão fabuloso e asséptico que nem o coronavírus alcança…

*
Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.