Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Boa notícia

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Na semana em que contávamos 10 mil mortos por “gripezinha”, Bolsonaro contaminava o Lago Paranoá com seu jet ski e Regina Duarte nos fazia engolir os versos de “Pra Frente, Brasil”, enfim, uma boa notícia: vou ser titio.

Eu já sabia desde o início da semana, quando a Alessandra, minha irmã, ligou perguntando quantos fios de cabelo brancos eu tinha na cabeça. “É o suficiente para ser um bom tio”, disse ela, concluindo pelo meu grisalho de botar inveja em William Bonner.

Mas guardamos a boa nova até o último domingo, quando foi a vez de os meus pais saberem. Os ânimos já estavam exaltados com essa saudade doída, e marcamos um Zoom para simular um almoço tradicional de Dia das Mães.

Aparecemos na tela, e ela disparou: estou grávida. Foi a primeira vez que vi o meu pai chorar. Pena que durou pouco, pois o homem sisudo levantou-se da cadeira e, desconfio, terminou de chorar no banheiro. Pouco depois ele reapareceu com a cara vermelha e um sorriso bobo de avô.

Brincamos que se for menino, se chamará Alquingel. Se menina, Cloroquina. Rimos muito, choramos mais e despedimos-nos felizes e emocionados. Até que a realidade dura do isolamento se impôs novamente.

Como almoço virtual não enche o bucho, precisei sair para conquistar a minha sustância.

Aventurar-se pelas ruas da Savassi a caminho do supermercado em domingo de quarentena é como atravessar um cenário pós-apocalíptico. Os entregadores são os únicos sinais de vida. Eles desbravam a cidade finada como motoqueiros fantasmas.

Há também os miseráveis e desamparados, que perambulam pelo deserto de prédios atrás de miragens de misericórdia.

Um deles veio até mim e descobriu que eu era gente mesmo, dessas de carne e osso e máscara. Com um receituário nas mãos, ele dizia que o seu filho precisava de leite em pó. R$40! Num país em que fazer as unhas é atividade essencial, leite em pó é tão importante quanto a cor do esmalte da Pugliesi.

Com o dinheiro minguado no bolso, ofereci o que tinha no peito: um pedaço de coração cortado.

Segui cabisbaixo até o supermercado e, de repente, na esquina com a Antônio de Albuquerque, uma boa notícia. Ou melhor, três boas novas: um violão, um trompete e uma caixinha de som.

Dois músicos na calçada davam uma canja de música boa, enquanto moradores dos prédios acompanhavam do alto de suas varandas.

Quando passei por eles, o violão chorou os acordes tristes de uma canção do Pink Floyd. Então o trompete soprou a melodia do refrão, e eu cantei em silêncio para mim mesmo: How… how I wish you were here… Eu também queria que você estivesse lá para ver.

Músicos realizam apresentação para moradores de prédios na rua Antônio de Albuquerque, na Savassi, em Belo Horizonte (Arquivo Pessoal).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.