Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Os olhos de Antônia

Pixabay
Taís Civitarese

Os olhos de Antônia lacrimejavam. Seus pais a levaram ao médico. “De onde vêm essas lágrimas?”, perguntou a mãe. “É poeira”, avaliou o oftalmo. Era uma grave alergia. Passou soro e colírio anti-alérgico. A mãe usou por quinze dias.

Antônia continuou a chorar. Não era choro. Eram lágrimas que saíam e saíam em silêncio. Saíam de manhã, de tarde e de noite. Saíam sem demonstrar por quê. Os pais se preocupavam. 

Resolveram levá-la a outro especialista. A médica nova usava óculos de grau. Examinou os olhos de Antônia com a lâmpada de fenda. E garantiu: “é entupimento do ducto lacrimal”. Por alguma razão, o aquilo impedia a limpeza ocular. Fazia vazar toda a água para fora. Receitou compressa morna e massagem.

Os pais seguiram a recomendação. Em uma semana, não houve melhora. A mãe ganhou vinte fios de cabelos brancos. E se desesperou. Não sabia mais o que fazer!

O pai voltou a fumar escondido. Da onde viria aquilo? 

Antônia chorava sem motivo aparente. Chorava comendo, sorrindo e brincando. Chorava sem abrir o berreiro. Era só aquela aguaceira que escorria em contínuo. Dois finos filetes de rio que desciam de sua floresta de cílios. Contornavam as bochechas. E iam parar em todos os lugares. Na roupa, no prato, no travesseiro, nos brinquedos, na blusa do pai.

Um dia, a avó foi visitar. Pegou Antônia no colo, a beijou e abraçou. Contou para ela uma porção de histórias. Comeram cantando o bolo que a mãe tinha feito. 

No final do dia, seus olhinhos estavam secos. As lágrimas pararam. Estava feito o diagnóstico. Aquilo nos olhos de Antônia era saudade.

*
Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

One thought to “Os olhos de Antônia”

  1. Que lindeza essa história de amor aos avós! Que as lágrimas de todas as Antônias, Antônios e todos os avós sequem bem depressa no calor de tantos braços com saudades de abraçar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.