Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Irani, Jaci, Darci

Irani, Jaci, Darci - fonte: Pixabay

Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br


Irani, Jaci e Darci
são meus novos hóspedes, chegaram na semana passada. São os mais recentes pets que vieram se juntar à golden Lola, a spitz Liz, às coridoras brancas Rebecca e Clarice, ao Uacari, vulgo “Cascudão”, e ao cardume de neons: Splash Queen, Boss Queen, Cosmic Queen, Glitter Queen, Crystal Queen, Sugar Queen, Queen Bee, Treasure, Precious e Diva.

Irani, Jaci e Darci são seres anelídeos, detritívoros; minhocas californianas vermelhas que habitarão minha nova composteira doméstica com o nobre objetivo de tornar a casa sustentável. Daqui a algum tempo teremos húmus e chorume, um biofertilizante potente, resultado da decomposição dos resíduos domésticos.

Elas chegaram pelo correio, junto com as caixas de compostagem encomendadas pela internet. Quando o porteiro interfonou, fui imediatamente buscá-las para verificar a integridade “da mercadoria”.

Irani, Jaci e Darci vieram dentro de um pacotinho de tecido TNT amarelo, misturadas a um punhado de terra, o substrato. Elas estavam paradas, pouco se mexiam. O manual era claro: as minhocas chegam estressadas e desidratadas da longa viagem, é preciso muito cuidado. Armar as caixas digestoras na ordem correta, fazer uma “caminha” de terra para recebê-las, e depositar o substrato e as minhocas em um dos cantos da caixa superior. Logo em seguida, deve-se umedecer a terra (mas não encharcar!!!) e colocar somente um pouco de alimento no canto oposto. Eu coloquei cascas de bananas que já estavam separadas para este fim.

Agora é ir depositando, pouco a pouco, os resíduos orgânicos (essencialmente cascas de frutas e legumes, farelo de pão, pó de café) e esperar que o sistema entre em equilíbrio, o que deve acontecer daqui a um mês.

Até lá, Irani, Jaci e Darci terão se reproduzido usando seus brilhantes clitelos e formarão uma grande colônia de Iracis, Juranis, Ivanis e Guaracis, trabalhando ativamente no sistema que dará conta da imensa quantidade de restos domésticos produzidos em uma casa funcionando 24×7 em termos de refeições.

A minha empolgação com a chegada das minhocas foi tanta que rendeu uma estranha conversa de whatsapp com uma querida amiga que me escreveu:

– Oi, Dani, tudo bem aí?

– Tudo bem, amiga. Cada dia de um jeito, né? Meu humor está meio oscilante, devo confessar. Comprei uma composteira doméstica que chegou hoje. Em breve teremos adubo orgânico. E vcs?

E ela respondeu:
– Igual aqui. Depois você me ensina a mexer.

Eu, surpresa com essa enorme “coincidência” de que minha amiga estava também aproveitando a quarentena para fazer uma compostagem doméstica, gravei-lhe um longo áudio exibindo todos os meus recentes conhecimentos:

“A composteira deve ficar em lugar longe do sol e da chuva. Os resíduos de alimentos devem ser colocados na caixa de compostagem picados em partes bem pequenas, pois isso facilita a decomposição. O sistema não pode ficar muito úmido senão as minhocas morrem “afogadas”, já que elas respiram pela pele. Cuidado quando colocar restos de melancia. Também não pode colocar alimentos muito ácidos, como cebola e alho, nem cítricos, como limão e laranja, porque alteram o “ph” do sistema. Elas não gostam, são muito sensíveis. Tome cuidado.”

E ela, responde em seguida:
– “Aqui igual” de sentimentos, Dani. Mas valeu pelas informações. Se me aventurar, as utilizarei.

*
Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.