Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O ano que não aconteceu

“Sem arrogância, mas com absoluta convicção, eu digo: este país vai dar certo!”
Fernando Henrique Cardoso

Victória Farias

Não é fácil pensar fora da caixa, especialmente quando se está preso em uma.

João sabia disso. Tanto sabia, que todas às vezes que suas aulas de Ensino a Distância (EAD) começavam (ele não aguentava mais) se arrastava do sofá para a sala para se sentar na frente do computador por mais quatro horas e fingir que estava prestando atenção em alguma coisa.

E foi assim nos últimos quinze dias – menos às terças, não tinha aula nesse dia, então podia se fingir de morto no sofá por mais tempo, até ir se fingir de morto na cama.

Estava trabalhando de casa, o tal home office, um nome bonito para “atender o chefe enquanto anda pela cozinha com um pé de meia de cada cor”. Ele não tinha culpa. Sempre perdia as meias.

Não esperava muito do por vir. As notícias dos acontecimentos do ano que parecia não ter fim surgiam a torto e a direita (sempre ela) e lhe tiravam um pouco da esperança – acrescentando os primeiros fios de cabelo branco à cabeça.

Nunca pensou que se encontraria naquela situação. Um atestado médico de 15 dias por conta de uma gripezinha! Ah, minha rotina, ah, minha esperança! – era um tanto dramático. Olhou a temperatura, 37 graus.

Abria a geladeira e o vento frio – que só servia para lhe piorar a saúde – vinha até ele em ondas de lamúria. Repetia o processo até se sentir entediado – ou até entender que não estava em um filme de magia – nada de novo apareceria ali. 

Depois que checou pela última vez o e-mail naquele dia, fechou o computador – era uma terça-feira, graças a Deus – e foi procurar um pacote de viagens para as férias de julho do ano que vem – sem chance de qualquer respiro esse ano.

Depois de muito, sentiu que estava precisando de um merecido descanso. Conseguiu comprar uma excursão para o nordeste – ele amava – por um preço ótimo e bem na data que queria.

Quando decidiu ir dormir, um dia já tinha virado outro. Deu uma última espiada no celular – 01:39 / 26 de novembro de 2019 – respirou fundo e teve certeza de que o ano por vir seria infinitamente melhor. 

*

Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.