Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A verdade sobre…

Literalmente, neste segundo, com tudo o que está acontecendo no mundo, ser humano é a coisa mais difícil de se ser.
Oh Wonder 

Victória Farias

Sentada em sua lanchonete favorita, Amanda se deliciava com um x-bacon à moda da casa, o seu hambúrguer favorito – que pedia todas as vezes que tinha oportunidade.

Havia acabado de passar por uma semana excruciante – em todos os sentidos. Tinha tido conflitos no trabalho (de novo), brigara em casa com os pais. Há muito não sabia o que era conviver em paz consigo – nem com o outro.

A plena apreciação pela vida vinha encapsulada naquele hambúrguer de dois andares com bacon extra, que ganhava sem pedir e ainda vinha com uma piscadela meio indecifrável de Maria, garçonete que sempre lhe servia. 

Naquele momento, Amanda encontrava paz. Mas não era qualquer sossego momentâneo. Era uma profunda e inenarrável certeza de que nada nem ninguém, até mesmo o telefone vibrando desesperadamente em seu casaco, poderiam lhe atrapalhar.

A pessoa que a requeria era insistente, o que a fez imaginar quem tinha soltado a primeira bomba. Ela sempre se perguntava quem tinha começado a confusão. 

Depois de incansáveis tentativas e exaurida pelo cansaço, atendeu.

– Amanda!? – a voz, que vinda do outro lado da linha e quase estourou os tímpanos da garota, era de seu chefe  estou tentado falar com você há um tempão!

– Desculpa disse com desdém eu estava ocupada, não vi o tele…

– Seguinte, preciso que você volte para cá agora!– Como assim? Olhou o relógio de pulso, marcava 18:56h. Quando voltou o olhar novamente para cima, viu que Maria a encarava com um misto de curiosidade e simpatia – Não podemos resolver isso amanhã?

– Não, não podemos! Ele fez de novo! O pessoal já tá em cima, é pergunta para todos os lados. Amanhã vai ser tarde, aí você já viu.

Amanda soltou o ar dos pulmões como se, ao fazer isso, o peso da gravidade parasse de incidir sobre ela, permitindo que fosse para bem longe da terra.

– Ok, estou a caminho. 

– Ótimo. Sinto muito pelo seu hambúrguer. Seu chefe disse, se debulhando em ironia.

Chamou a garçonete e pediu para embalar o resto da comida para viagem. Não tinha se contentado com o desfecho da história toda, mas como isso estava se tornando cada dia mais comum, preferiu não se importar.

Depois de pagar e se demorar um pouco no aperto de mão com Maria – ainda estavam nessa fase – correu para o Palácio do Planalto para se juntar, mais uma vez, a uma companhia de jornalistas fervorosos e frenéticos que tentavam – sem sucesso – dar explicações sobre o pronunciamento não oficial do Presidente. 

Ela descobriu – sem surpresas – que era ele quem tinha começado – de novo. Não havia hambúrguer na face desta terra que conseguisse dar paz a essa assessoria de comunicação. 

*

Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.