Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Testamento corona

Testamento corona - fonte: Pixabay
Testamento corona – fonte: Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

– Oi, mãe! Tudo bem?

– Oi, filha, tudo bem. Só para dizer que eu deixei tudo preparado.

-Tudo o quê?

– Ué, nunca se sabe. E se eu for direto para o “CTI”? Quando a gente chega lá, num dá tempo de nada. “CTI” é um horror. Nem poderemos conversar. Nem vou poder falar com vocês sobre as coisas. Aliás, não vou poder falar mesmo porque provavelmente estarei entubada.

– Credo, mãe.

– É sério. Só para você saber. Aqui em cima da mesa do escritório já deixei a apólice do seguro de vida. Você e seus irmãos são os beneficiários. Também tem o documento da previdência privada. E os números das contas bancárias e as senhas estão escondidas no fundo da primeira gaveta do meu criado mudo, tá?

– Mas…

– Ah, tem o carro, o apartamento, o lote e a sala. Por favor, dividam na proporção de vinte e cinco por cento para cada um, incluindo o Álvaro. Ah, e por favor, não briguem. E deem toda a assistência que ele precise.

– Mas, mãe, você está sentindo bem?

– Sim, estou ótima. Meu dia foi super produtivo. Fui ao supermercado as sete, sabe né? Nesse horário abre só para os idosos. Impressionante o tanto de gente que está usando máscaras. Será que eu preciso usar máscaras também, filha? Mas máscara tá em falta. Engraçado que tem um monte de gente entrando em parafuso por causa do isolamento, mas eu não tô não. Acho que essa ansiedade não vai me pegar. Eu tenho uma mente muito positiva. Tenho muita coisa para fazer. Já paguei as contas no aplicativo,enviei a minha declaração de imposto de renda, arrumei os armários da cozinha, lavei todas as louças e tupperware com cloro, fiz ginástica online, cuidei das plantas, falei com seu irmão por vídeo chamada. Achei que ele está tão magro. Ele não pode adoecer porque tem a Larissa para cuidar. Não pode pegar. Um corpo magro daquele jeito não aguenta o baque da doença. Ainda mais asmático. Confesso que estou um pouco preocupada. Dá uma ligadinha para ele quando puder.

– Já liguei, mãe.

– Ah, que bom então. Eu dei algumas aulas virtuais também. Todos os alunos assimilaram a modalidade skype das aulas, então tá sendo muito bom. Nem preciso ir mais à escola, que está fechada desde o dia 20.

– Nossa, mãe, que bom que você está bem e que a sua rotina está funcionando. Aqui em casa tá uma loucura…

– Ah, filha, num esquece. Quero ser cremada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.