Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A epidemia já estava aqui

【微博/微信】愚木混株 【Instagram】cdd20 • Shanghai/China - A epidemia já estava aqui
【微博/微信】愚木混株 【Instagram】cdd20 • Shanghai/China – A epidemia já estava aqui
Taís Civitarese

A gente já estava com o coronavírus. 

Só não sabíamos.

Já portávamos a coroa imaginária que nos fazia crer sermos os donos do mundo. 

Que nos fazia inconsequentes. Que nos levava a subestimar a natureza e a desacreditar de seu poder e de sua soberania.

Esse vírus nos contaminou faz tempo. E desde então, seguíamos a vida como reis. Reis do tempo, reis da nossa saúde, reis das nossas emoções, reis do futuro. 

Éramos reis nas pequenas ações cotidianas e também nas grandes.

Ao agir sem pensar direito, ao consumir em desenfreio, ao descartar o lixo todo misturado. Ao não combater a desigualdade social e a mudança climática. Ao tolerar os absurdos que se descortinavam em nossa rotina a cada dia.

Ao não lutar por justiça. Ao nos omitirmos diante das necessidades do próximo, dos mais frágeis, dos oprimidos. Ao fugir do descompasso aberrante que se escancarava aos nossos olhos no direcionamento do planeta.

Até que explodiu a bomba que nos deixou perplexos, envoltos em fumaça. E ela abrangeu o mundo inteiro.

Todos se silenciaram. Tudo entrou em repouso. As pessoas entraram. Nutridos da incerteza, respirando o ar turvo do medo. O recolhimento foi recomendado pelas autoridades mundiais.

O que fazer agora? Os filmes da TV, veremos todos. Riremos de um milhão de memes que, por fim, perderão a graça. Os livros que temos em casa serão todos lidos.

E restará vasculhar o infinito dentro de nós mesmos. Aquele que disfarçamos tanto para não ser visto. Que tamponamos com coisas, compromissos, açúcar e plástico.

Na falta de tudo, só ele estará ali. Ele se mostrará como é, com suas feiúras e tortuosidades. O enxergaremos melhor e, a partir daí, o curaremos. Porque não nos sobrará mais nada.

A coroa cairá. E o mundo renascerá diferente. Mais humilde. Mais mundano. E menos ilusório.

A explosão nos transformou e transformará para sempre. Seguiremos mais próximos uns dos outros. Mais próximos também de nós mesmos. E conscientes da necessidade de não mais abandonarmos nossa casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.