Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

E ela?

Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Com a passagem do dia o8 de Março, dia Internacional da Mulher, lembrei-me de cenas que imagino das conversas que escuto nas minhas caminhadas pelo Parque Eduardo Couri, em BH.

Numa delas – estava eu andando quando me aproximo de uma “corrente” de quatro homens – caminhavam lado a lado. Essa é a maneira que os vejo, sempre por ali. 

Faz-me lembrar da brincadeira de criança: “corrente que mata gente, quem tem medo sai da frente.” Pois então, naquela tentativa de ultrapassagem, mas com a corrente impedindo, acabo escutando parte do assunto do dia.

Um dos homens, o que ocupava uma das posições centrais, estava relatando sobre seu encontro com alguma mulher e o assunto era que tinha rolado relação sexual.

A forma do relato e a sua indelicadeza fez um colega – mais sensível e com boa escuta, perguntar: “E ELA?”. A resposta perversa (não encontro outra palavra) veio:

“- você acha que vou comer camarão e perguntar para ela se gostou? 

No momento quase reagi entrando na conserva perguntando para o senhorzinho, de uns 65 anos, se ele sentia gosto das comidas e se distinguia o que comia.

Claro que desisti disso, e também da ultrapassagem, vai que ele imagina que eu estava provocando? Diminui o passo e deixei a “corrente que mata gente” seguir seu rumo.

Pensei, posteriormente, sobre o assunto e sobre o significante usado por ele: CAMARÃO. Se o esse homem estivesse relatando isso num consultório de psicanalista, provavelmente a escuta seria: Ca – AMARÃO.

Sim, é de amor que ele falava. Ele nem deve saber que deseja isso. 

A pergunta feita pelo seu colega de caminhada, naquele momento, foi magistral:E ELA?” Pergunta eterna que todos carregam.

E Ela – a mulher, a mãe – aquela que deu o consolo primeiro para o desamparo humano – o das Ding, segundo Freud.

Aquilo perdido e que sempre será buscado e nunca alcançado. O que Lacan poeticamente define como: “reencontramolo no máximo como saudades.

E do lado das mulheres? Tem as correntes também. E em outro belo dia escuto as colegas de caminhada, quando também tentava manter meu passo.

Seguiam em quatro, uma dela ereta, passo firme e duro. A conversa rolava sobre suas atividades diárias.

Ela liderava a prosa dizendo que fazia aquilo, aquilo outro e mais isso… Uma colega intercepta e explicita: “amiga você faz muitas coisas!”. E o retorno é divertidíssimo:

“ – amiga depois que seu marido fica pijamoso e chineloso, você tem de ter muitos grupos. Eu tenho de bordados, de ioga, de caminhada, do buraco” e foi…

São acontecimentos com duas posturas diferentes entre os homens e as mulheres.

Uma de respeito – para a esposa, o jeito chineloso e pijamoso não parecia ser um problema.

E ela continua se reinventando buscando amigas para compartilhar a vida.

Em contrapartida, do lado dos homens… O colega de caminhada realmente precisa de uma análise. 

Por que há tanta violência por parte dos homens? Por que agridem as mulheres física e psicologicamente? Essa é uma pergunta que quero deixar para ELES. 

As lutas femininas não ficaram no passado, como era de se esperar para o século XXI.

Bastas ver as estatísticas sobre agressões, feminicídios, equivalência salarial e etc’s.

 Assim, é importante o Dia Internacional da Mulher? Sem a menor dúvida. E o que queremos é respeito, e especialmente igualdade de direitos como: salários equiparados; o de ir e vir sem ameaças; o de se posicionar na vida conforme o próprio desejo e porque não de amar? 

E a pergunta fica: “E ELA?” 

Parece que muitos homens não a respondem bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.