Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O Inspetor

Divulgação/Facebook
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Deixou o café esfriando na mesa e pôs a se arrumar. Não pretendia atrasar-se logo hoje, no seu primeiro dia.

Entrou no uniforme, escovou o seu pequeno bigode e, numa olhadela ao espelho, ajeitou a plaqueta presa ao peito, onde se lia – inspetor.

E saiu para trabalhar.

O inspetor inspecionava uma fábrica de apertar parafusos. Dois tipos trabalhavam lá: os que apertavam parafusos e os que mandavam os apertar.

Os primeiros tinham os rostos lavados pelas lágrimas da miséria. Enquanto os outros, quanto mais poderosos e importantes, maiores os bigodes adornando-lhes as caras.

Corria a história de que o bigode do patrão formava dois arcos enormes, enquanto a barba descia até o peito. Mas ninguém nunca viu.

Via-se apenas que o inspetor cultivava uma penugem modesta. O que era o bastante para inspirar alguma autoridade entre os seus subordinados.

— Alto lá! – advertiu o inspetor diante do trabalhador que parou para descansar. O homem, sem um pelo sequer no rosto, quase morreu de susto e voltou a trabalhar. Mas deixou passar alguns parafusos sem apertar.

— Descontarei cada parafuso frouxo do seu salário — sentenciou o inspetor.

Mal havia ele terminado de punir o pobre e coitado, quando percebeu um burburinho vindo do lado de lá. Era um desses trabalhadores, de cara lavada e língua solta, que tagarelava sem parar.

— Alto lá — reprimiu o inspetor. — Cada palavra dita será descontada do seu salário.

O trabalhador corou a face pelada, engoliu a conversa fiada e voltou a trabalhar. Ouviu-se apenas o ressoar de parafusos a apertar.

Até que o silêncio foi atravessado pelo timbre agudo de uma chave de apertar estatelando-se ao chão. O que deixou o inspetor muitíssimo irritado.

— Alto lá todo mundo! Quem foi o miserável descuidado de barba rala e mão furada?

Um homem com a pele de bumbum de nenê apontou para o colega, igualmente de cara pálida, que tinha a ferramenta caída aos seus pés, denunciando ser o próprio autor do deslize.

— Descontarei do seu salário cada segundo de distração. Todos ao trabalho, já!

Tendo passado a descompostura na turma, dali a pouco o inspetor flagraria o pior: deparou-se com um homem fumando tranquilamente o seu cigarro, enquanto parafusos eram deixados sem apertar.

Era o fim da picada.

O inspetor agora estava disposto a dar um puxão de orelha exemplar. Aproximou-se, lentamente, por trás do transgressor e soltou, a plenos pulmões, o grito de advertência.

— Alto lá!!!

Mas quem virou, num pulo só, exibia um enorme bigode ao estilo Salvador Dalí e uma barba no padrão Eduardo de Ávila.

Foi o primeiro — e o último — dia do inspetor na fábrica de apertar parafusos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.