Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Carnaval em Casa

Pixabay
Pixabay
Taís Civitarese

Depois de um ano sumido, encontrei o saudoso lançador branco de Beyblades. Aquele mais poderoso e que funciona em duas posições. Estava caído no fundo do balde de espadas. Meus filhos ficaram maravilhados!

Aprendi finalmente todo o potencial do robô aspirador, que conheceu cada canto da minha casa e os revisitou diversas vezes. Já planejo adotar sua prima e futura companheira, a utilíssima robô que passa pano de chão.

Terminei de ler meu livro.

Percebi que o tapete da sala de tv precisa urgentemente ir para a lavanderia, dada a quantidade de texturas bizarras e não-peludas que pude sentir ao pisá-lo com os pés menos apressados. 

Achei também minha caneta de 4 cores rosa, favorita, que estava sumida dentro de um diário esquecido.

Com o marido, pinguei alguns pingos nos is que ficaram faltando desde a última reforma ortográfica. Com a sogra também.

Falei mais um daqueles “nãos” difíceis e que estavam travados transversalmente no esôfago há muitas e muitas situações. Quanto alívio.

Fora um bocado de lixo que foi jogado fora. Um perfume de flor de laranjeira que adquiri para a sala. Assisti a “Boyhood”, que queria ver há tanto tempo.

Tivemos tempo de contar histórias, jogar forca, sair para almoçar, nadar no clube. Meninos dormiram tarde, tiveram um jantar à base de pipoca e um almoço de pastel e picolé. Muitas coisas boas.

Reaprendi a única música que sabia tocar no violão na adolescência. Prazer aproximado a um Oscar, considerando-se o grau de ferrugem nas falanges. 

Tirei de circulação as blusas das crianças que estavam pequenas (e as que sempre achei feias), acabei o trabalho da pós-graduação, fiz as unhas e a sobrancelha. 

E talvez, o mais importante. Em cada ato e gesto, menos automatismo, menos pressa e um pouco mais de consciência. Como se finalmente tivesse conseguido colar alguns pensamentos na cabeça. Criar memórias para a rotina.

Quando me perguntarem o que fiz no Carnaval, direi a verdade: nada. Mas um nada cheio banalidades tão fundamentais e tão, mas tão necessárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.