Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Petra, papas e pizza

Petra, papas e pizza (Lolon/GettyImages)
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Ainda que saímos de mãos abanando após mais uma cerimônia do Oscar, nunca antes fomos tão vitoriosos por apenas concorrer a cobiçadas estatuetas douradas de Hollywood.

A começar pela indicação de “Democracia em Vertigem”, da belorizontina Petra Costa, preterida na categoria de Melhor Documentário, mas inegavelmente gloriosa no quesito maior burburinho do Oscar.

Falou-se muito do filme dela. E esculhambou-se também – Bolsonaro, bolsominions, internet e até Pedro Boçal, digo, Bial, que reduziu a corajosa obra da cineasta mineira a “uma ficção alucinante”.

O burburinho, porém, funcionou. Todos correram para assistir. Direita e esquerda assistiram – e brigaram até pela pipoca. E mais: o mundo inteiro assistiu, com efeito da exposição causada pela corrida ao prêmio maior do cinema mundial.

Petra, enfim, venceu de lavada. Enquanto compatriotas torceram contra e chuparam dedo.

Ela nos contou de mansinho a curiosa história da jovem democracia brasileira. Era uma vez uma menina democracia que num lapso de vertigem sentiu tudo girar a sua volta.

Girou, girou, caiu e levantou-se, até que se deu conta parada no mesmo lugar.

É o retrato de tempos outrora e agora. Lutamos, resistimos e rompemos os cálices da repressão. E pelo mesmo voto direto conquistado a sangue, canções e prisões, elegemos um governo que celebra o período de escuridão. Como explicar?

Petra chamou o contraditório fenômeno de democracia em vertigem. Eu prefiro chamar de democracia às avessas: uma democracia em torno da qual o povo se une até que as urnas o separe em polos opostos.

É neste cenário que aparece outra indicação ao Oscar que veio assoprar o momento de polarização inflamada.

Dois Papas”, de Fernando Meirelles, em que pese não ser um filme brasileiro, é um filme dirigido por brasileiro, com alma brasileira e com uma motivação que nos é cara: é uma obra sobre tolerância.

Meirelles constrói um diálogo fictício entre dois cânones opostos da Igreja Católica contemporânea: o conservador Bento 16 e o progressista Francisco. Desenrola-se então debates riquíssimos sobre costumes, casamento gay, dogmas e até futebol. Temas em torno dos quais, em comum, eles só encontram a diferença.

Até que o lado mais duro resolve ceder. Um não concorda com o outro, moderno e liberal. Mas o tolera, o aceita e vai além: sugere que a própria diferença o faria um papa melhor do que o então pontífice conservador.

Deixa de lado, portanto, as miudezas em favor do futuro da igreja. Afinal, tudo acabaria mesmo em pizza e futebol na tevê. No fundo, eles sabiam que era só o que importava.

Cena do filme “Dois Papas”, de Fernando Meirelles (Divulgação/Netflix)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.