Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Tabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Graduada em Jornalismo, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Rio de Janeiro: o outro lado da cidade maravilhosa

Foto: Sandra Belchiolina
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Fui ao Rio de Janeiro, no final de semana passado, para III Seminário dos Cientistas da BSGI.

Nele, foram apresentadas pesquisas, propostas e práticas em prol dos Objetivos para Desenvolvimento Sustentável (ODS), elaborados pela ONU. O tempo para concretizá-los: 2030.

Cena 1 – Desembarquei na Cidade Maravilhosa dois dias antes do evento. Aproveitei para caminhar no calçadão da Barra e apreciar um pôr-do-sol, que foi fantástico.

Caminhar nos faz ver o mundo, como meus colegas de blog têm defendido. É uma ideia que sempre apreciei e pratiquei.

Inserida naquela paisagem que mineiro (a) fica extasiado, entre os postos 3 a 6, vejo um jovem.

Ele lançava alguma coisa amarrada numa corda para alcançar um côco e puxá-lo para baixo. Olhei curiosa para aquilo tentando entender o processo e o que estava preso na ponta. Não consegui, e segui matutando…

No retorno, lá estava ele em outro coqueiro e na luta para fazer sua colheita. Ai, não resistir e perguntei:

– amigo, que técnica é essa?

– vizinha, é segredo (ele).

– Vizinha? Sou de longe, de Minas.

Nessa conversa conta que é do norte de Minas, que vive do côco e do peixe que pesca e vende para barracas da Barra. Mora no Rio há 10 anos. Nisso, sua bicicleta cai. Pede para ajudá-lo a levantar. Assim pude observar mais.

No balaio amarrado, estavam muitos côco e um isopor para os peixes. Na sua lateral, via-se arpão e uma prancha de isopor, ambos usados para a pescaria.

Assim segue meu “vizinho” coletor-pescador, como os homens primitivos e sustentáveis.

Ele interage com o meio ambiente e faz uso sustentável dos recursos da natureza. Segundo seu relato: “a vida está ótima

Cena 2Entre os roteiros turísticos que o Rio oferece, está o da Ilha da Gigoia. Quis conhecê-la, pois ouvira sobre suas belezas. Mostro nas fotos:

Foto: Sandra Belchiolina
Foto: Sandra Belchiolina

Pude percorrer ruelas floridas e com muito verde, também, muitos restaurantes. Esses são atrativos, nos finais de semana, para os que habitam na cidade.

Mas pasmem! Naveguei em esgoto para chegar lá. O bairro da Barra, com seus condomínios bacanas, e shoppings centers de luxo, não tem tratamento de esgoto suficiente para retornarem com a água tratada para os rios e o oceano.

Ali, no meio do mau cheio, lembrei-me da imagem dos três macaquinhos que tampam os ouvidos, olhos e boca.

O povo não quer ouvir, não quer ver e como consequência não tem o que falar.

Cena 3 – Fui ao supermercado comprar água mineral. E qual a realidade do Rio de Janeiro nesse fevereiro de 2020? Não tem água boa.

Não tem água boa nos rios, nas torneiras e nem nos supermercados. Essa virou mercadoria de luxo, você procura nos mercados mais próximos e não tem. Os cariocas estão correndo atrás de água mineral! Quando acham, muitas vezes está racionada.

Voltando aos ODS propostos pela ONU. Apresentei sobre a importância das unidades de conservação para que se cumpra a ODS 15 – Vida na Terra, cujo objetivo é:

proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter à degradação da Terra e deter a perda da biodiversidade”.

Precisaremos de todos e mais um com olhos, ouvidos e boca abertos para socorrem à natureza.

O mundo demanda mais e mais pessoas aderindo a sistema de transporte coletivo ou não poluente como a bicicleta do “vizinho”.

Paulo Pepê (devido ao nome da praia) tem muito a nos ensinar com sua “indústria” não poluente e seu jeito de viver sustentável.

Caso contrário – viveremos correndo atrás de boa água e ar, ou fugindo das tragédias impostas por nossa cegueira e surdez (ninguém se salvará disso!).

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.