Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Tragédia brasileira

Foto: https://www.gettyimages.com.br/detail/ilustra%C3%A7%C3%A3o/people-in-the-second-rank-ilustra%C3%A7%C3%A3o-royalty-free/995604138 - Tragédia brasileira
Foto: https://www.gettyimages.com.br/detail/ilustra%C3%A7%C3%A3o/people-in-the-second-rank-ilustra%C3%A7%C3%A3o-royalty-free/995604138 – Tragédia brasileira
Guilherme Scarpellini

Desrespeitável público, 

A democracia às avessas e de ponta-cabeça, orgulhosamente, apresenta: o Brasil que você não quis, mas escolheu assim mesmo — no susto. Pois que se abram as porteiras, perdão, as cortinas do picadeiro, que o espetáculo já vai começar.
 
E começou com o presidente da República metido numa fantasia ridícula de herói da Idade das Trevas – e já podia terminar. Mas quem apareceu de espada em punho foi o ministro da Educação. 

Ele açacinava a língua portugueza (sic), como se o S fossem terríveis cobras de duas cabeças e o Ç cedilha, abomináveis monstros de boca aberta e o rabinho a balançar.

Não bastasse, o secretário da Cultura, não menos canastrão, encenava uma paródia macabra de nazismo dos trópicos. Dizia um monólogo estranho sobre coisas esquisitas que pareciam saídas de um documentário da Segunda Guerra. Mera coincidência retórica, explicou.

E ao cabo do primeiro ato do teatro do absurdo, enfim, uma pausa para fazer xixi. Pois todo mundo estava mesmo de saco cheio. Mas por esta ninguém esperava: das latrinas saiu o pedido de casamento.

A namoradinha de um Brasil acima de tudo e abaixo do fundo do poço virou noivinha da republiqueta, e casou-se com o falso herói da tragédia brasileira. Entrou vestida de verde-amarelo, véu, grinalda e brasão da CBF. E saiu com a chave da cultura nas mãos.  

Mas não qualquer cultura. Uma cultura nacional, heroica, imperativa, homofóbica, racista e outros etecéteras piores e tal. Resta agora devolver a ela o único adjetivo que interessa – livre. 

Aliás, imbuída de liberdade de expressão, a namoradinha, muito antes de ser noivinha, esteve muito bem à esquerdinha nos anos de chumbo, na década de 1970.

Pois contra a censura às telenovelas brasileiras, bateu às portas do general Geisel, em Brasília. E as portas bateram na cara dela.  

Vindo agora de quem tem a testa amassada pela repressão, vá lá, dá até uma pontinha de esperança de ver as portas abertas.

E passando livres por elas Brunas Surfistinhas, beijos cancelados, filmes proibidos, óperas de Wagner, rock and roll, batuques, mandingas, macumba e outras obras-primas do Capiroto – que, como o próprio nome indica, é democrático.

Mas não sejamos tolos. Que fechem logo as cortinas do picadeiro. Pois até quem vê Cristo em goiabeira sabe que não há grand finale em tragédia brasileira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.