Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Estou livre com seu passo e aperto sua mão

Estou livre com seu passo e aperto sua mão - Sandra Belchiolina
Estou livre com seu passo e aperto sua mão – Sandra Belchiolina
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Estou livre com seu passo e aperto sua mão

A música tem poder de nos transportar para muitos lugares. Desperta emoções, acalma e transcende o ouvinte.

Ela é uma catalisadora que mexe com nosso sistema neuroendócrino. 

Assim, a escolha do repertório para escutar é de suma importância, pois ela pode criar um bem estar ou provocar uma catarse.

O que escrevo nessa crônica é sobre aquele momento inesperado em que uma música chega e nos remete a muitos outros.

Na semana,, passada escrevi sobre a formatura da turma da Medicina da UFMG 147 e nós, familiares e amigos presentes no baile, fomos presenteados com o show do Skank. Sou fãzona como minha família. Imagina a expectativa?

O baile foi regado de boas companhias, bebidas e comidas e não podia faltar aquela música especial.

E chega a hora do Skank. Todos na maior empolgação. Escutamos:

Ô pacato cidadão, te chamei a atenção//Não foi à toa, não//C’est fini la utopia, mas a guerra todo dia//Dia a dia não//E tracei a vida inteira planos tão incríveis//Tramo à luz do sol//Apoiado em poesia e em tecnologia//Agora à luz do sol…

Eu disse funk lá no morro da Mangueira//Essa menina ‘tá dizendo sim eu sei//Noite bamba tudo a beça//Baião na rampa do Cruzeiro… É insuportável, é dor incrível…

Vamos fugir//Pra onde haja um tobogã//Onde a gente escorregue//Todo dia de manhã//Flores que a gente regue//Uma banda de maçã//Outra banda de reggae

E a turma no embalo até que… 

Eles cantam:

Escorre o tempo que seguro e cabe em minhas mãos//Eu empresto o meu mundo pra te ter então//Você vai acreditar talvez//Ou senão queira partir de vez// E se eu falasse nessas coisas que vejo em você//Me atravessam num segundo sem eu entender//E tudo que me faz ver//E tudo que me faz ter.

Paralisada para absorver melhor a música que me transporta ao João, meu netinho. Ele canta e dança “Algo Parecido” desde seu lançamento. Escuto alguém falando: é a música do João. 

Sim, é a música do João! E ali no meio de alegrias que transbordam uma lágrima escorre. É a música do João que identifico como nossa.

Estou livre com seu passo e aperto sua mão//Que me mostra o caminho pra te ter então//Com você quero partir de vez//Sem destino e sem lugar talvez…

E é assim que seguro a sua mãozinha, que me leva aos contos infantis da minha infância e dos meus filhos Tiago e Camila.

Faz-me ver o mundo com olhos inocentes e curiosos e redescobrir o sentido das palavras e das fantasias.

Hoje entendo algumas amigas, que já chamei de loucas, por deixarem tudo para ficarem com seus netos.

Com eles temos a terceira chance de ver o mundo encantado, de abastecer nossos sonhos e de enxergar o mundo como uma criança.

Assim, junto e ao passo do João, estou livre. 

Domingo passado passeando na “rua dos cachorrinhos”, sentamos num banco de mourão que fica na esquina. Ali, debaixo de árvores e ao som de passarinhos, escuto uma voz de anjo: “que delicia”. 

Olhei para o menininho de três anos de idade para acreditar no que ouvia. Não quis quebrar a magia do momento.

Silenciei-me sentindo a brisa, o cheiro de mato e escutando os passarinhos, como ele. 

One thought to “Estou livre com seu passo e aperto sua mão”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.