Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Façamos

Titanic - Façamos
Titanic – Façamos
Daniela Piroli Cabral
Contato@danielapiroli.com.br

(em homenagem ao sábio Chico Buarque)

Libido, termo definido pelo Houaiss como: (1) procura instintiva do prazer sexual, desejo; (2) energia que está na base das transformações da pulsão sexual; energia vital, de acordo com as teorias de Freud; (3) energia psíquica.

Segundo o Roudinesco e Plon (1998), libido é termo latino que foi utilizado inicialmente por Moriz Benedikt para designar uma energia própria do instinto sexual.

Freud retomou o termo para designar a manifestação da pulsão sexual na vida psíquica e a sexualidade em geral.

Então convém dizer que a sexualidade não se confunde com o ato sexual propriamente dito e que o desenvolvimento da libido é necessário para o estabelecimento de uma personalidade adulta saudável.

Se algo não vai bem com ela, pode saber. Assim como as outras funções fisiológicas como a fome e o sono, se faltam, algo está errado, pode ser depressão.

E não há meios de desenvolver uma sexualidade saudável sem vivenciá-la, experimentá-la, praticá-la de maneira tão prazerosa e responsável. 

E por que você está falando tudo isso, Dani? 

É que estamos às vésperas do carnaval e à beira da semana de prevenção da gravidez na adolescência, na qual o governo promete o lançamento de uma campanha 100% de sucesso que é… Abstinência. Hahaha. Piada? Não, verdade. 

Tá bom, quero saber como eles vão conseguir colocar na cabeça de um adolescente, com os hormônios em ebulição, que a melhor maneira de lidar com a sexualidade é esperando.

Também já falei sobre a adolescência normal aqui e quero ver eles driblarem o imediatismo e a crença de invulnerabilidade que o jovem carrega para simplesmente… esperar.

Claro, quem decide esperar por convicção ou crenças próprias, tudo bem. Mas utilizar a crença de um determinado grupo e tentar impô-la “travestida” de política de saúde pública? Em que anos 20 estamos mesmo?

Prevenir a gravidez na adolescência é importantíssimo pelas diversas consequências, emocionais e sociais que ela traz.

As campanhas de prevenção têm de existir sim. Têm de transmitir informações qualificadas numa linguagem direcionada ao público jovem. Isso é fundamental e mostra como nos descuidamos disso.

Está aí, o aumento no número de casos de transmissão de HIV e sífilis que não me deixa mentir.

Mas, o que está por trás desta abstinência proposta pela dona Damares Goiabeira Alves? Está o recado da repressão.

Reprima a sua sexualidade. Está o recado do silêncio. Não fale nem viva o seu desejo, seus afetos, seu amor. Está o recado da solidão e da assexualidade.

Se você sente o que está sentindo e não consegue se controlar, você é o diferente. Está o recado do azul e do rosa, que padroniza e rotula as formas de amar.

Não, meu povo! Façamos! Façamos da conjugação imperativa! Façamos com desejo! Façamos com responsabilidade! Façamos com liberdade! Façamos com a justiça legítima de todas as formas de amor!

Referências: 
  • Dicionário Houaiss Da Língua Portuguesa. 2009
  • ROUDINESCO, E; PLON, M. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.
  • http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/direitos_sexuais_reprodutivos_metodos_anticoncepcionais.pdf

One thought to “Façamos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.