Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O que mais poderia dar errado?

Foto: Imagem de <a href="https://pixabay.com/photos/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=828656">Free-Photos</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=828656">Pixabay</a> O que poderia dar errado?
Foto: Imagem de Free-Photos por Pixabay O que poderia dar errado?
Victória Farias

Bom, aparentemente, tudo. O universo, em toda a sua aspiração de se equilibrar, escolheu terceiras felicidades – ou felicidades de terceiros – para se satisfazer.

Embora eu acredite que somos apenas pequenos seres que não fazem a menor perturbação na existência geral das coisas, às vezes, tenho plena certeza de que os astros conspiram contra mim.

São pequenos acontecimentos como: perder o ônibus por estar ocupada demais trocando mensagem pelo celular – acho que isso foi culpa minha -, deixar a comida queimar por estar distraída com um filme – talvez eu tenha um pouco de culpa nisso também -, perder o horário de acordar, por esquecer de colocar o celular para despertar – universo, você me paga!

Ás vezes sinto como se pessoas estivessem assistindo minha passagem pela terra, dando pequenas risadinhas quando eu bato o meu dedinho do pé na quina dos móveis. Móveis que não deveriam estar lá!

Além, é claro, de se comportarem como ladrões. O dinheiro que investi ao longo da minha vida na compra de canetas e isqueiros BIC – todos desaparecidos há mais de três dias, a polícia já foi avisada – poderiam pagar uma casa de praia em Miami!

Tirando as coisas que desisto de procurar. Se algum dia você vir sair de casa com um pé de meia azul e outro preto, por favor, não me julgue! Isso é mais comum do que se imagina, afinal, ninguém perde um par de meia de vez, mas um pé a cada lavagem. Toda vez.

É assim vou vivendo no lado desequilibrado da força – quero dizer, do universo. Penso nas pessoas que são ao contrário – as que não acordam atrasadas, ou as que encontram canetas e isqueiros – a vida deve ser um mar de rosas por lá.

Um dia, sentada em uma mesa de bar com amigos, um deles diz: “eu tenho uma caixa de isqueiros na minha casa, posso escolher qual usar. E eles aparecem lá do nada!” Impostor! – pensei.

Mas, enquanto as rosas não chegam por aqui, solicitei uma caixa de caneta BIC, espero tê-las pelo menos até o final do mês.

Tenho certeza que isso deixará o universo entretido, por agora. Vamos ver se pelo menos assim ele deixa meu dedinho do pé em paz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.