Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Women Will – As Mulheres Vão

Bombeira na Lama de Brumadinho - Flávio Tavares - Hoje em Dia
Bombeira na Lama de Brumadinho – Flávio Tavares – Hoje em Dia
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Em 2019, duas fotos e dois eventos me instigaram. As mulheres eram o foco em ambos.

Tentando escrever sobre, fui puxando fios e fios e agora terei de publicar em duas postagens. 

Farei o percurso falando sobre as fotos e os eventos primeiro. Também, selecionei algumas das 25 líderes mundiais apontadas num artigo da ONG Na Prática.

Mulheres dão suas contribuições para humanidade com seus valores e ações.

Primeiro: as fotos. Essa me emocionou: uma mulher bombeira, na lama, fazendo resgate no desastre de Brumadinho

Recebi sua imagem com os dizeres: “o lugar das mulheres é onde elas quiserem”. 

Nessa época, outra mulher apareceu na mídia e vem sendo criticada, por infligir o “dress code”.

Era sua posse na Assembleia dos Deputados de Santa Catarina. Fui pesquisar sobre: Ex-prefeita de Bombinhas/SC (dois mandados) é eleita deputada estadual, com uma longa trajetória. 

A foto retrata uma mulher, como muitas que estão nas redes sociais e por aí, sensualizada, com decotes mais ousados. Usava macacão vermelho! O que tudo indica, é uma mulher que sabe o que faz.  

E, sua afirmação é de que não irá mudar seu estilo para agradar outros.  Seu estilo representa muitas mulheres brasileiras. Então por que mudaria?

Quer infração maior ao dress code do que a de um presidente de chinelo em reunião com seus ministros? Nossa deputada estava muito bonita e elegante. 

Deputada Ana Paula da Silva
Deputada Ana Paula da Silva

Essas duas fotos apontam para dois arquétipos femininos. Esses que são representações psíquicas encontrados nas diversas culturas humanas.  

Numa das fotos está a representação da santa/fada e na outra a puta/bruxa.  Arquétipos que provocam comoção desde sempre

Não rufem os tambores com ira, não se trata de serem santas ou putas as mulheres apresentadas. Mas sim o que a imagem vista provoca no expectador.

O lugar da mulher é onde ela quiser?  E como ela quer?

Seguindo a trajetória do movimento feminino, vamos aos eventos que participei, em que as mulheres eram convocadas.

O primeiro, organizado pela Google, está dentro do projeto da empresa Cresça com a Google”.

Women Will, título sugestivo – as Mulheres Vão, – seu objetivo é apoiar o desenvolvimento pessoal e profissional de mulheres. 

O treinamento gratuito (termo utilizado pela empresa), expõem sobre novas oportunidades de emprego, mudança de carreira e, principalmente, sobre empreender.

Cases de carreiras e empreendedorismo femininos são apresentados.

O segundo evento, Gin & Money, foi organizado por uma estilista. Ela veste noivas e mulheres com alta costura. Tem atelier em Belo Horizonte e São Paulo. 

Sua empresa comunga com o feminino e com os grandes rituais de celebração da mulher ocidental: festa de debutante e casamento. 

Seu evento tinha como objetivo networking (suponho). Utilizou do recurso de entrevistas de quatro mulheres que são empreendedoras e uma interlocutora. Apresentando também os cases das entrevistadas. 

Com essas fotos e eventos, tento refletir sobre esse avanço das mulheres em relação aos seus direitos e suas ocupações no mundo, incluindo no mercado de trabalho. 

Sua contribuição para um mundo de paz e mais harmônico. Também, por que desses eventos com chamadas somente para as mulheres.

Pensando nisso, lembrei-me de uma amiga. Certa vez, contou-me sobre sua condição de mulher e negra. 

Com suas questões, pude entender o que é ser minoria nos lugares considerados de boa educação, moradia e trabalho

Minoria? Pesquisando no IBGE: 48,3% dos habitantes do Brasil são homens. E a maioria mulheres 51,7%.  

Com esse resultado e os movimentos na sociedade atualmente, podemos pensar que há um no novo paradigma de mercado ou um novo posicionamento social para a mulher? 

Na próxima semana, continuo com as líderes mundiais. Seus pensamentos, valores e relatos. Vamos atrás de pistas. 

Ver o que realmente é/foi importante para essas grandes mulheres e como elas estão no cenário mundial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.