Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

E tu, é filha de quem?

Foto: Paixabay - E tu, é filha de quem?
Foto: Paixabay – E tu, é filha de quem?

No dito mundo moderno, a luta pela identidade própria é algo que se sobressai. Pessoas querem ser reconhecidas pelo o que são e fazem, não aceitando esteriótipos nem comparações.

Reivindicações mais do que justas, já que estamos no ano futurístico de 2020, correto? Errado.

Assim como o honrado escritor de sábado, sofro com questões na família. Nós não brigamos e os desentendimentos só acontecem por conta do sangue parecido que corre nas veias. 

Com descendência enraizada em cidade pequena, no interior Bahia, não estou muito acostumada com o jeito diferente das pessoas se apresentarem

Aqui, Maria não é Maria por si só. Maria é Maria de Dominguinho, que tem uma lojinha que vende de cachaça barata ao 3° testamento revisado. 

Não que ele seja lá confiável, pois tem alguma coisa relacionada a amar uns aos outros, sem fazer acepção de pessoas. Coisa de gente perigosa.

Meus avós eram bem conhecidos e respeitados por aqui, donos da única pensão nos tempos áureos que a cidade conheceu.

Hoje elas existem aos montes, mas nenhuma se compara a Pensão Farias. 

A ideia bucólica é convidativa. Sentar na porta de casa com os vizinhos ao cair da tarde, ouvir quem morreu sendo anunciado nos alto-falantes da cidade e pendurar um pão na padaria porque esqueceu o dinheiro.

Superinteressante, se não fosse o fato de ter que responder, no mínimo dez vezes ao dia, de quem sou filha, pois só assim consigo me situar no espaço-tempo.

–  Filha de Sayonara, neta de Valdemar – digo.

Mas não é que tem cara de um Farias mesmo? – escuto. – Sabia que eu sou seu parente? 

E quem não é? – penso.

Ter cara de Farias, é ter uma cara igual a metade da população da cidade, de 26 mil habitantes, já que todo mundo aqui é Farias. 

É um sobrenome não lá muito bonito ou confiável, mas que se prolifera e deixa rastros por onde passa.

Fico pensando como será quando eu voltar para casa e não precisar anunciar os meus antepassados toda vez que me apresentar – filha de Sayonara, neta de Valdemar.

Iniciarei minha crise de identidade não assinando esse post. Caro leitor, não sei mais quem sou – fui filha de Sayonara, neta de Valdemar, agora sou só Victória. Não sei se sobreviverei. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.