Foto extraída da web

Escrita

Foto extraída da web
Foto extraída da web
Taís Civitarese

Na espuma das palavras
lavo a minha alma
Ensaboo-me
com todas as letras possíveis
Para remover
A camada incrustada
De mágoa

Nesse banho,
A água flui cristalina,
Ordenada

Encontra seu rumo
Para o rio certo
Desemboca na
Infinitude
E dilui
cada cisco de mácula

Nada mais tem importância
Se está agora
Imerso no imenso

Onde as belezas são profundas
E se alimentam daquilo que,
feito soluto,
A escrita lavou
E se fez
Reciclada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.