Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Amor ao contrário

"Foto:
Taís Civitarese

Ir ao supermercado lotado. Evitar todas as gôndolas, exceto aquela. Brilhar os olhos ao vislumbre de minha rosada e graúda vítima. 

“Product from California”, dizem as letras. Quase todas as melhores coisas vêm da França, de Minas ou da Califórnia. 

Escolher enfim a mais gorda e viçosa delas.

Carregá-la com orgulho, tal como uma bola de cera enorme e reluzente. Seguir em direção ao caixa. Pagar peso de ouro por ela. 

Chegar em casa. Lavá-la ansiosa. Abri-la cuidadosamente com uma faca de lâmina curta. Com esta, fazer-lhe um rasgo raso e transversal na carne.

Quebrá-la ao meio com a mão para não estourar as sementes. Vislumbrar seu interior com o delírio mítico de uma deusa que porta nas mãos sua própria mina de pedras preciosas. 

Comer sozinha grão a grão. Deleitar-me. Deixar espirrar no rosto seu sumo sanguinolentamente vermelho.

Deixar rastros desse crime na forma de pequenas gotas espalhadas pela mesa, por meu computador, meu celular, minha roupa e até pela parede da cozinha. Quem se importa com a nódoa? 

Um presente da natureza. Inatingível nos outros meses. Plena durante as Festas. Nessa luxúria, termino o meu ano.

One thought to “Amor ao contrário”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.