Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Não

Foto: Pixabay - Não
Foto: Pixabay – Não
Tais Civitarese

No meio do caminho, havia um ‘não’. Havia um ‘não’ bem no meio do caminho. Topei com ele. E agora? Quis chutá-lo, empurrá-lo, excluí-lo.

O que fazer com esse ‘não’ tão imponente, que interrompia meus planos e desafiava a minha vontade?

Qual era a desse ‘não’ atrevido que ousou perturbar minha certeza e debochar das minhas convicções?

Mexi com ele. Insisti. O ‘não’ era pesado demais. Mais duro que uma pedra, mais firme que uma montanha. 

Aquele ‘não’ obstruía meu caminho e eu precisava fazer alguma coisa. Tentei convencê-lo do contrário.

Ele foi irredutível. Não moveu nem o til. Tentei ludibriá-lo, enganá-lo, dissuadi-lo de ser tão ‘não’. Ele permaneceu o mesmo.

Que revolta! Como incomoda! Não entendo como um ‘não’ pode ser tão negativo.

Por último, me disfarcei. Ah, mas o ‘não é esperto. Tratou de criar raízes. Não saiu do lugar.

Munida de raiva, não havia nada que eu pudesse fazer a respeito. Aquele ‘não’ estava decidido. Negativíssimo. Tinha ao seu lado a negativa e vinha rodeado pela negação.

Curiosa, pedi para olhar atrás dele. O que aquele ‘não’ guardava de tão precioso? Por que era tão seguro, convicto, certo de seu indeferimento? 

E foi aí que descobri que atrás do ‘não’ morava a paz. 

 

 

One thought to “Não”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.