Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpelini Guilherme Scarpelini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Tabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Cursando o último período de Jornalismo, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Será que sou bipolar?

Daniela Piroli Cabral

contato@danielapiroli.com.br

“Será que sou bipolar? Estou muito instável, acordo de um jeito e vou dormir de outro.”

 “Fulano é muito volúvel, cada hora quer uma coisa. Acho que ele é bipolar”.

 “Acho que meu filho é bipolar. Desde que entrou na adolescência não o reconheço mais, não sei mais quem ele é. Cada dia está de jeito”.

É impressionante como a apropriação do termo “bipolar” pelo senso comum pode ser criativa, chegando ao extremo de ser utilizado como xingamento em situações que desagradam ou de discordância de opinião.

Mas, o transtorno afetivo bipolar (TAB) é uma doença que requer tratamento. Sintomas como instabilidade, inconstância, mudanças de pensamento e de comportamento não significam, necessariamente, o diagnóstico da doença.

O TAB também não se confunde com os altos e baixos que a vida traz, nem com quadros de luto, de tensão pré-menstrual, de angústia existencial, de mudanças relacionadas ao ciclo de vida (como a adolescência), nem com a infinidade de situações que podem provocar alterações no humor, no nível de atividade, na linguagem e na personalidade.

Segundo a CID-X (classificação internacional de doenças), o TAB se caracteriza por “dois ou mais episódios nos quais o humor e o nível de atividade do sujeito estão profundamente perturbados, sendo que este distúrbio consiste em algumas ocasiões de uma elevação do humor e aumento da energia e da atividade (hipomania ou mania) e em outras, de um rebaixamento do humor e de redução da energia e da atividade (depressão)”.

A classificação do TAB é basicamente de dois tipos:

(I): tipo maníaco com traços depressivos;

(II) tipo II depressivo com traços hipomaníacos.

Geralmente, a condição tem uma relação maior com o uso de substâncias psicoativas, com um risco maior para tentativas de suicídio.

Dessa forma, os objetivos deste texto é esclarecer sobre sintomas do TAB, estimulando a procura por ajuda de um profissional de saúde mental, além de tentar reduzir o estigma relacionado ao quadro.

O tratamento geralmente abrange medicamentos e psicoterapia.

Deixo como indicação o filme Mr Jones”, com Richard Gere, e o livro Uma mente inquietade Kay Jamilson, referências fundamentais para a temática.

Se tiver dúvidas, entre em contato ou procure ajuda especializada.

*imagens extraídas da Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.