Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Tabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Cursando o último período de Jornalismo, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Vovô

Foto pixabay
Foto pixabay
Tais Civitarese

Quando me casei, adotei o avô do meu marido como meu. Ele é a pessoa mais fofa do mundo. Impossível descrever o tamanho de sua gentileza e carisma, bem como seus caracteres de artista.

Ele pinta quadros que ornam os lares da família inteira. Não bastasse isso, está sempre pronto a nos receber com elogios, daqueles que enchem o coração de alegria.

Para completar, ainda é um comediante nato. Esses dias, ao visitá-lo, contou-me a seguinte história: “Quando eu era pequeno, meu avô morava com minha família. Ele já estava ‘caduco’, e de vez em quando, aprontava alguma.

Numa noite, acordei às 2h da manhã ao ouvir um barulho. Era ele, em seu quarto, recitando Luís de Camões. Ele me disse:

– Neto, venha jogar xadrez comigo!
– Mas vovô, são duas horas da manhã…
– O que é isso? Não fuja à luta!
Pingando de sono, fui jogar com ele. E ele, obviamente, venceu.
– Meu neto, você joga muito mal!!”

Outra história muito contada por vovô é a seguinte: “Nossa família inteira morava no Rio de Janeiro antes de eu me mudar para Belo Horizonte. Um dia, já casado e vivendo em Minas, fui com minha mãe visitar sua irmã mais velha, a tia Glorinha, que estava bem idosa e esquecida.

– Olá, Glória! Tudo bem? Viemos ver como você está! – disse minha mãe, Maria.
– Oh, que maravilha! E ainda trouxe o João! Como está grande! Que alegria revê-lo!
– Pois é, Glória. Ele veio ver a praia e fez questão de vir comigo visitá-la.
– Que maravilha! Você está lindo, João. Como vão sua esposa Sandra e seus três filhos?
– Estão ótimos, titia. Minha esposa enviou esse presente.
Porém, de repente, no meio da conversa, tia Glória mudou de semblante e perguntou à minha mãe:
– Espere aí, Maria! Mas quem é esse senhor?”

Com essas e outras, aos seus 86 anos, meu avô segue fazendo troça da própria velhice e nos divertindo com as peripécias de seus antepassados. É dele o meu exemplo do mais alto tipo de lucidez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.