Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Buenos Aires de Borges, Carlos Gardel, Evita Perón, Maradona, das parrillas…

Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/ArtTower-5337/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=51625">ArtTower</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=51625">Pixabay</a>
Imagem de ArtTower por Pixabay
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Buenos Aires é uma cidade amigável e muito fácil para os brasileiros irem. A primeira vez que estive lá, pude conferir sua fama de cidade mais europeia da América do Sul.

De lá para cá, com a globalização, todo o mundo mudou e Buenos Aires talvez tenha voltado a ter mais ares de América, quiçá o resto do mundo também.  E o charme continua.

Escrevo novamente sobre as viagens e os diferentes desejos dos turistas para desvendarem as cidades. Eles não são excludentes, e sim complementares e enriquecedores.

Certa vez, em Buenos Aires, discutindo com amigos sobre nossos interesses na cidade, me deparei com três desejos distintos.

O meu: ir de Buquebus de Buenos Aires à cidade de Colônia do Sacramento, no Uruguai. Fizemos uma deliciosa travessia no Rio da Prata.

A embarcação tem decks amplos e confortáveis, free shopping e lanchonetes.  É um meio de transporte muito agradável entre os dois países.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Para aqueles com tempo, a viagem pode se estender pelo Uruguai. E os que estão retornando a Buenos Aires, e querem dar uma espiada no país vizinho, como eu, é uma boa pedida conhecer essa cidade colonial que é um charme. O transporte pode ser utilizado com destino a Montevidéu também.

O tempo da travessia é maior e a cidade é grande para um bate-volta. Em outro post falarei do Uruguai e incluo a Colônia do Sacramento.

O outro desejo foi permanecer no Caminito – rua-museu que fica no bairro de La Boca. Mas por que permanecer? Gosto muito do city tour, mesmo que já o tenha feito em viagens anteriores.

Os guias, que acompanham o tour, são pessoas locais e sempre nos atualizam sobre o que está acontecendo na cidade, além de compartilhar as riquezas históricas e culturais do lugar.

O trajeto do city tour em Buenos Aires é feito, normalmente, na ordem: passamos por Recoleta, Palermo, Palermo Soho, com uma parada para fotos na escultura metálica Floralis Generica, Obelisco, Teatro Colón, Mafalda.

Depois, paramos novamente na Plaza de Mayo onde fica a Casa Rosada  – são muitas galerias de souvenir na região, no estádio La Bombonera.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Depois, uma parada em Caminito, para as fotos e a tradicional dança com bailarinos de tango. Ali ficamos para aproveitar mais dessa região colorida e festiva de Buenos Aires. Voltamos de táxi para o hotel.

O terceiro desejo – e o único gastronômico: ir ao restaurante El Luis Pobre. É um restaurante que está sempre lotado e reservas antecipadas são necessárias.

Ele fica fora do principal eixo turístico de Buenos Aires, no Bajo Belgrano. É um lugar que tem sua própria identidade, decorado com muitas camisas de times de futebol – vi até a do Cruzeiro, time mineiro (Zerrooo…)

Segundo Bruno Agostini, na reportagem: Melhores restaurantes Novos e Antigos de Buenos Aires, ali “podemos encontrar uma parrilla com perfil ligeiramente diferente das demais de Buenos Aires. O uruguaio Luis Acuña, dono e chef, faz um ‘asado’ à moda de seu país.” Adorei o restaurante, é pitoresco e a parilla maravilhosa.

Próxima semana tem mais. Até!

Para saber mais:

– https://oglobo.globo.com/boa-viagem/os-melhores-restaurantes-novos-antigos-de-buenos-aires-5073595

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.