Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Vai fazer o ENEM? (Parte II)

Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/athree23-6195572/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=3700116">athree23</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=3700116">Pixabay</a>
Imagem de athree23 por Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Parte I

Então, o que eu devo observar no processo de escolha profissional? Quais são as reflexões que devo fazer na hora da escolha? 

Bem, o primeiro ponto é se questionar sobre seus interesses, suas aptidões e sua personalidade. Interesse é para onde minha curiosidade e atenção são direcionadas. 

Aptidão diz respeito às minhas habilidades, são atividades nas quais eu sou reconhecido pelos outros por fazer bem. Personalidade é quem eu sou, como sou. 

O ideal é encontrar o ponto de “coincidência” entre aquilo que me interesso, faço bem e minha personalidade comporte ou permita.

Podemos gostar muito de uma coisa, mas não necessariamente sermos bons naquilo. Por exemplo, os esportes. 

Podemos ser muito bons em algo, mas talvez não seja de nosso interesse tornar aquilo uma profissão. O que pode ocorrer também no o campo da música ou das artes.

Vale dizer que os interesses mudam, as habilidades podem ser aprendidas e praticadas e a personalidade vai se desenvolvendo a partir das experiências da vida e também dos objetivos e propósitos estabelecidos por nós mesmos. 

Pode ser que uma pessoa tímida e introspectiva se torne uma excelente profissional de Relações Públicas, dependendo de suas habilidades e do seu próprio interesse.

Um outro ponto que gera certa confusão é escolha baseada na preferência em disciplinas escolares.

Posso gostar muito de língua portuguesa, mas não necessariamente serei um bom professor, assim como gostar de biologia não garantirá que serei um bom médico.

A construção de uma carreira deve levar em conta a interação de outros aspectos.

Uma outra dica é pesquisar cuidadosamente a grade curricular do curso que pretende cursar, inclusive nas diversas faculdades (sejam públicas ou privadas), já que podem haver grandes variações curriculares entre as instituições de ensino. 

Pesquise também a nota de corte dos cursos que te interessam previamente, para poder ter um tempo de amadurecer a escolha e não ter que optar “no susto”.

Procure também informações sobre o campo de trabalho no qual pretende ingressar. Pesquise sobre áreas de atuação, setores e instituições que procuram tal profissional, pergunte sobre o que faz, sobre realização profissional e remuneração a profissionais que já estão atuando no mercado de trabalho. 

Não tenha vergonha. São essas informações que auxiliarão a descartar opções ou despertar para um outro caminho, às vezes nunca pensados. 

O que faz seu olho brilhar? 

Para saber mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.