Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Ainda sobre os tempos modernos

Eduardo de Ávila

Aproveitando a deixa do belo texto da Victória ontem, eu até pensava em comentar aqui sobre a chatice do uso indiscriminado das redes sociais pelo telefone celular, situação que deixa uma mesa de bar, cafeteria ou interação social, em total e absoluto constrangimento.

Pois, o mal é muito mais amplo, como alertado aqui neste espaço ontem. As pessoas próximas não se comunicam, pois aqueles distantes – muitas vezes até desconhecidos – tem mais atenção que quem está ao lado.

Me irrita profundamente, e isso ocorre com frequência, estar em conversa com alguma pessoa que – inesperadamente – passa a ignorar a minha presença para dar atenção a um aviso de mensagem no whatsapp.

Até gente que pega carona comigo, de todas as idades, cometem essa insanidade. E o pior, nem percebem. Costumam, depois de interagir com o mundo virtual, tentar retomar a conversa, mas nem se lembram do que falávamos.  Viram e diz assim: “pois é…É um saco!

São tantas as facilidades que, cada vez mais, distanciam de quem está próximo. Não reclamo delas, mas convenhamos que temos – e me incluo – de ter mais cuidado com essa parafernália.

Que nem aquele ditado, “quem bate esquece, quem apanha não”. No caso, quem faz isso não percebe o tamanho da agressão que comete contra a pessoa que está ao seu lado.

Com isso, vamos cada dia mais nos distanciando de parentes, amigos, vizinhos, colegas de trabalho e do mundo real.

Fico daqui recordando dos tempos passados, quando ia ao banco para descontar um cheque do meu pai.

O caixa do Banco do Brasil, lá de Araxá, que me conhecia e também sabia quem era papai, ia numa gaveta e tirava o cartão de assinatura para conferir com aquela do cheque.

Depois, noutra gaveta, conferia o saldo da conta numa folha grande parecendo cartolina, para depois pagar o valor constante no documento.

Hoje, pela agilidade, se saca dinheiro numa máquina eletrônica que está à disposição em farmácias, supermercados, postos de gasolina. Fantástico! Mas, se clonarem o seu cartão, o Banco leva alguns dias para repor o prejuízo. Quando o fazem.

Falei de papai, pois vou contar uma dele. Nas férias, comumente, ia para a fazenda com ele, e levava alguns amigos da minha distante infância para essa divertida temporada sem escola. Certa ocasião, ao descarregar a camionete, retirei o que tinha num saco plástico e o joguei pela janela.

Papai, imediatamente, determinou que fosse buscar aquele saquinho já sem utilidade e me alertou que ele levaria anos para se desintegrar. Sem graça no meio dos amigos, cumpri a ordem recebida.

Numa outra situação e ainda nessa ocasião, no lanche antes de ir deitar – lá não tinha luz elétrica, a iluminação vinha apenas das velas – por volta de vinte horas, ele desfilava algumas considerações sobre o futuro que nos esperava. Em determinado momento, quase pedi para se abduzido.

Morri de vergonha ao ouvir o delírio dele. Eu, um garoto com menos de dez anos, e ele já com quase os 60 que tenho hoje, afirmou que ia chegar um tempo, onde iriamos conversar por telefone enxergando a pessoa do outro lado da linha. Quase morri de vergonha dos meus amigos. Papai não bebia, mas parecia estar delirando.

Pois, não é que ele, leitor assíduo de publicações científicas, que se ainda vivesse estaria com 106 anos, estava mais preparado que o filho para conviver com essa tecnologia do mundo moderno?! Eu – confesso – faço uso dela. Mas, sem constrangimento, me incomoda muito.

Mas, querendo ou não é bom pedir um Uber e ele chegar em poucos minutos, sacar rapidinho o dinheiro que preciso carregar comigo, ligar no exato momento que me lembro de algo que esqueci.

Enfim, tempos modernos para cabeças envelhecidas. Vida que segue!

*Imagem: Divulgação/Activ Doctors Online

3 thoughts to “Ainda sobre os tempos modernos”

  1. Bom dia Escriba!
    A tecnologia é útil.
    A questão é o que fazemos dela e, com ela.
    Ja parou para pensar que no mundo virtual temos total controle?
    Os dedos decidem.
    Convido e bloqueio.
    Incluo e excluo.
    Não preciso olhar nos olhos e / ou escutar a voz do outro.
    O outro é apenas virtual, enquanto eu me sinto real.
    Confesso que comungo da sua opinião, porém tenho com algum êxito me adaptado á nova situação.
    Não fui abduzido pelas redes sociais!

  2. Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo.
    “A desvalorização do mundo humano aumenta em proporção direta com a valorização do mundo das coisas.” Karl Max

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.