Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Zuckerberg que me pague

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal
Victória Farias

À tecnologia, muito obrigada. O avanço da ciência nos permitiu muitas coisas extraordinárias, isso é inegável.

Hoje, podemos conversar face a face com pessoas que estão a longas distâncias físicas, e não perder nenhum momento daquilo que consideramos importante.

Mas, como tudo na vida – especialmente as coisas gratuitas – tudo tem seu preço. E o da tecnologia, é cobrado em tempo.

Estava eu, em um belo dia desse verão interminável que se tornou 2019 – com o aquecimento global em plena negação – olhando as novas ferramentas que o Facebook gentilmente oferece a cada atualização.

Nas novidades várias coisas interessantes, como a inteligência artificial avançada, que sabe quais vídeos vou gostar e quanto tempo gasto assistindo a eles; até algoritmos que leem as fotos e oferecem uma descrição completa delas, caso alguma fira a política de privacidade do Facebook – política essa contestável, diga-se de passagem.

Nesse mar de novidades, uma ferramenta me chamou mais atenção. Descobri, – nem um pouco assustada – , que o aplicativo consegue analisar o tempo que é gasto nele, em diferentes dispositivos, celular ou computador.

Para a minha não surpresa, gastava quase 3 horas por dia, do meu precioso tempo – que pareço nunca ter -, passando pela linha do tempo de pessoas que eu conheço (?), e que compartilham coisas interessantes (?).

A questão, meu caro amigo, é que eu sou adepta declarada da frase: hoje não, estou sem tempo.

Embora a tecnologia tenha invadido locais que não tenha sido convida e feito coisas que ninguém pediu, espero que o próximo passo não seja espalhar por aí que sim, eu tenho tempo. O que eu não tenho, é dinheiro para gastar na cidade mais boêmia do Brasil.

Falando em moeda de troca, você poderia, encarecidamente, responder ao comentário em que eu te marquei? É um vídeo de gatinho que podemos ver juntos, cada um na sua casa. Tenho certeza você vai amar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.