Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Freud Museum

Foto: Arquivo Pessoal/Daniela Piroli Cabral
Foto: Arquivo Pessoal/Daniela Piroli Cabral
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Minha dica de hoje volta a Londres, e é para aqueles curiosos por história e psicanálise. Trata-se do Freud Museum. Como apaixonada pelo tema, não perdi a atração quando estive por lá. 

O museu é uma clara e modesta casa que serviu de exílio para Sigmund Freud e sua família entre os anos de 1938 até 1939, quando ele faleceu, acometido por um câncer na mandíbula.

Sua filha, Anna Freud, morou nesta mesma casa até 1982, quando faleceu. Logo em seguida, em 1986, a casa foi transformada neste museu onde está conservada parte da memória da psicanálise e do próprio Freud. 

A casa está toda preservada, com uma decoração que reflete as mobílias, tapetes e adornos da época e também as preferências pessoais de Freud. Chamaram a minha atenção as inúmeras peças de coleção de mitologia, expostas nas estantes de seu gabinete, mostrando seu interesse pelo tema. 

São peças que ele próprio comprava em viagens e também recebia de presentes de amigos e pacientes, revelando a inegável influência da mitologia em sua obra. Além disso, lá se encontra o divã utilizado por Freud para tratar de seus pacientes. Muito bom poder vivenciar isso “ao vivo”.

Se não fala inglês, não deixe de comprar o áudio da visita guiada em português, vale muito a pena! Também vale a pena conferir os souvenirs vendidos na lojinha que funciona nos fundos da casa. 

 

Para saber mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.