Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Agressão, rixa e W-O na diplomação dos eleitos em Minas Gerais

Extraído de vídeo / UAI / EM

Se fossemos transferir as aplicações das penas do CBJD – Código Brasileiro de Justiça Desportiva para o Tribunal Superior Eleitoral, a bancada de Minas Gerais na Câmara dos Deputados já teria alterações antes mesmo da posse no próximo ano. Pelo menos três eleitos cederiam seus lugares aos suplentes com a aplicação da punição prevista naquele instrumento disciplinar.

Os tempos recentes, daí como já manifestei em postagens anteriores, dividiram o país e os dois lados são responsáveis pelo acirramento dos ânimos. Por mais que minha posição pessoal demonstre a tendência de qual lado me posiciono, não me furto em afirmar que ambos têm responsabilidade sobre todo esse momento de intranquilidade que o Brasil e os brasileiros estão vivendo.

Extraído de vídeo/ UAI/ EM

Tudo começou com a dor de cotovelo de um candidato (Aécio Neves), derrotado nas eleições de 2014, que não deu conta de digerir a opção das urnas. A partir daquele momento, fez do seu inferno astral a rotina de toda uma nação. Conspirou e se aliou a antigos adversários até – por vingança – conseguir seu objetivo.

A lei de ação e reação ou de causa e efeito, foi implacável com o individuo. Porém, o cidadão continua pagando tributo pela inconformidade do ainda senador mineiro.

Interessante, antes de entrar no que pretendo comentar no tema de hoje, o governador eleito – ao que sei – tentou morar num condomínio próximo à Cidade Administrativa. Foi impedido, pois a Constituição Mineira determina ter de residir na capital. Como não irá – de acordo com sua pregação de campanha – morar nas Mangabeiras teve de procurar outra localização dentro de Belo Horizonte. Leblon fica no Rio de Janeiro. E num passado recente era a moradia principal de governador de Minas Gerais.

Anteontem, quarta-feira, mineiros e brasileiros – estarrecidos – presenciaram cenas lamentáveis de “telecatch” durante a diplomação. Para quem não sabe ou não se lembra, a expressão reporta a um antigo programa de televisão de luta livre. Naquela ocasião, nas tardes de sábado, assistíamos a tudo aquilo, sem saber que era um combate teatral. Como agora? Será?

Extraído de vídeo/ UAI EM

Pois bem, o neófito deputado federal eleito pelo PSL, Cabo Junio Amaral, teria demonstrado descontentamento com o fato de o deputado do PT (estadual e agora eleito federal), Rogério Correia, ao ser diplomado carregar uma placa com os dizeres “Lula Livre”. Incontinente, abandonou o seu lugar e foi ao centro do palco –ao que percebi – empurrar e tentar arrancar o protesto do petista.

Em resposta, recebeu um soco na cara e devolveu a agressão. A partir daí, como num campo de futebol, as torcidas passaram a se comportar.

E, lamentavelmente, é o que nos reserva o futuro depois de quatro anos dessa divisão do povo brasileiro. Se fossem aplicar as regras contidas no CBJD, que atuo como auditor tanto na Copa Centenário (da Prefeitura de Belo Horizonte) quanto na Copa Itatiaia, Amaral e Correia deveriam ser severamente punidos.

Em ambas as competições, pelo regulamento interno, existem penas acessórias de eliminação desta e da próxima disputa. Seria uma boa e exemplar medida a ser tomada para que líderes eleitos aprendam a se comportar daqui pra frente.

No mesmo regulamento disciplinar, existe a punição para WO – vale dizer aos que não comparecem – com a perda dos pontos e até eliminação. Pois, o senador Aécio Neves (PSDB) em fim de mandato que se elegeu deputado federal com pouco mais de 100 mil votos (esperava entre 400 a 500 mil) sequer compareceu à diplomação. WO no Neves seria muito bem recebido.

A sua ausência, embora compreensível não possa ser entendida como justificável. O ainda tucaninho é quase uma unanimidade. Rejeitado pelos seus opositores, agora também não é procurado para fotos pelos seus antigos admiradores.

Extraído de vídeo

Em tempo: Arriscaria em afirmar que intuio que todos os envolvidos, explícitos e implícitos no episódio da diplomação agiram assim de maneira consciente e desejando essa exposição que ridicularizou Minas Gerais. Mais experiente e esperto foi o deputado estadual eleito Virgílio Guimarães, também, petista. Ele, que já foi vereador e deputado federal, depois dessa confusão apareceu com um cartaz contendo a expressão “PAZ”. Virgílio circula com desenvoltura em quase todas as legendas que compõem o cenário político mineiro e nacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.